Marcon Logística Portuária

Portos do Paraná atualiza regras e movimentação de fertilizantes está mais rápida

Demanda crescente e mercado aquecido na comercialização dos fertilizantes fazem aumentar a procura pelos Portos do Paraná para a descarga dos produtos. Na mesma proporção em que aumenta a quantidade de navios e o volume de adubos descarregados, aumenta também a produtividade dos terminais portuários para atender os importadores.

Acompanhando a alta nos volumes de desembarque de fertilizantes nos portos de Paranaguá e Antonina, observada desde o segundo semestre de 2021, a administração portuária atualizou as regras operacionais e aumentou em quase 30% os níveis de produtividade para cada operação de descarga dos granéis de importação.

“O Porto de Paranaguá tem uma das melhores pranchas médias operacionais para o desembarque dos produtos entre os portos brasileiros. Para garantir maior eficiência no segmento de fertilizantes, a ‘prancha média’, varia de 6 mil a 9 mil toneladas por dia, por berço ou navio”, afirma o diretor-presidente Luiz Fernando Garcia.

A média de descarga tem sido de cerca de 40 mil toneladas, ou seja, quase dois navios por dia, considerando o que vem sendo descarregado, mês a mês, de outubro de 2021 até março deste ano.

Além da mudança nas regras, o porto investiu em balanças o que acabou agilizando o atendimento dos caminhões à demanda da descarga no cais. “Subimos de 800 mil toneladas/mês para mais de um milhão de toneladas”, afirma o diretor de Operações, Luiz Teixeira da Silva Júnior.

Segundo ele, manter a fluidez e a agilidade na descarga dos navios que trazem os granéis de importação é um complexo que não depende apenas da produtividade do costado.

“Depende do destino do produto – para qual armazém vai; das condições do armazém – os horários; as condições de retirada da mercadoria, carregando para o Interior; entre outros fatores, como a chuva também”, comenta Teixeira. Só no mês de março, como lembra o diretor de Operações, foram quase 12 dias de chuva.

MERCADO – O gerente executivo do Sindicato da Indústria de Adubos e Corretivos Agrícolas do Estado do Paraná (Sindiadubos), Décio Luiz Gomes, explica que o fertilizante que chega neste ano – janeiro, fevereiro, março e abril – já estava comprado desde o ano passado, entre setembro e outubro.

Segundo o representante do segmento, os países importadores de fertilizantes – não apenas o Brasil – acabaram antecipando a compra dos produtos, diante de “uma certa falta de matéria prima para a fabricação” e da crise energética no mundo.

Os portos paraenses são as principais entradas dos fertilizantes no país. Como confirma o Ministério da Economia (ComexStat), com base nos dados do 1º trimestre do ano, cerca de 31,5% dos produtos importados pelo Brasil chegam por Paranaguá e Antonina.

Além de entrada, Paranaguá acaba sendo também centro de comercialização do produto. E nessas negociações, segundo Gomes, as empresas têm as próprias políticas, capacidade e estratégias.

São essas estratégias, segundo o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia, que fazem com que, muitas vezes, mesmo estando à frente no line-up, alguns navios acabem recusando a atracação.

LINE UP – Nesta quarta-feira (20), 18 navios aguardam para descarregar cerca de 585 mil toneladas de fertilizantes somente no Porto de Paranaguá. Desses, 13 estão com todas as exigências operacionais e de documentação prontas, e um deles deve atracar ainda no mesmo dia (hoje).

Nessa ordem de alinhamento, por chegada, como explica o diretor de Operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Júnior, quando o porto disponibiliza um berço os que aceitam atracar nos berços alternativos não são, necessariamente, os que chegaram primeiro. “Por interesse, alguns acabam preferindo aguardar mais”, pontua Teixeira.

Hoje (20), apenas nos berços do cais do Porto de Paranaguá, são descarregados quatro navios simultaneamente – somando quase 114 mil toneladas de fertilizantes.

CAPACIDADE – Paranaguá tem uma capacidade estática para mais de três milhões de toneladas de fertilizantes. Somando o espaço em novos galpões lonados, chega a quase 3,5 milhões de toneladas. Apesar de grande, essa capacidade acaba ficando limitada, principalmente quando há demora na expedição do produto para o destino final, no Interior do país.

No cais público do Porto de Paranaguá são três berços preferenciais para os navios carregados de fertilizante, mas os navios com a carga ainda podem atracar e descarregar por qualquer outro berço do cais público que não esteja ocupado.

O Porto de Paranaguá conta ainda com um píer privado (Fospar), com dois berços exclusivos e interligados por esteiras. E, em Antonina, são 2 berços que podem operar o produto.

Box – VOLUMES MOVIMENTADOS DE FERTILIZANTES

De janeiro a março, neste ano, 3.068.596 toneladas de fertilizantes foram desembarcadas nos portos do Paraná – 26% a mais que as 2.436.122 toneladas registradas no mesmo período em 2021.

Na movimentação mensal, as altas observadas nos últimos três meses foram de 18% em janeiro (884.268 toneladas); 43% em fevereiro (1.318.708 toneladas); e 20% em março (867.930 toneladas).

No ano passado, nos mesmos meses, os volumes descarregados foram, respectivamente 749.965 toneladas (janeiro); 919.997 (fevereiro); e 721.232 toneladas (março).

 

Fonte: Portos do Paraná

}

05.02.2022

Em Destaque

Relacionados

Produção nacional de petróleo cresce 3,9% em maio

Em maio deste ano, houve aumento na produção de petróleo e na de gás natural, e também na produção do pré-sal. A produção total (petróleo + gás natural) foi de 4,234 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/d). Com relação ao petróleo, foram extraídos 3,318...

Quer saber mais?

Entre em Contato

Siga a Marcon

Mercado & Novidades

Últimas Notícias

jul 17 2024

Carteira de exportação do BNDES aprova volume 135% maior de créditos em 2024

O valor das aprovações de crédito para a linha BNDES EXIM Pré-Embarque, que financia as exportações de empresas nacionais, cresceu 135% no primeiro...
jul 16 2024

Exportações do Paraná para Ásia, África e Oriente Médio batem recorde no 1º semestre

O Paraná obteve no 1º semestre de 2024 o seu melhor desempenho nas vendas para os mercados do Oriente Médio, África e Sudeste Asiático , com maior...
jul 15 2024

Mercosul e Emirados Árabes Unidos iniciam negociações de um acordo de livre comércio

Representantes dos países membros do Mercosul e dos Emirados Árabes Unidos se reuniram em Assunção, entre os dias 2 e 4 de julho, e formalizaram  o...
jul 12 2024

Receita Federal aprimora Programa OEA-Integrado para facilitar operações internacionais

A Receita Federal do Brasil (RFB) publicou a Portaria RFB nº 435, de 2 de julho de 2024, que estabelece novas regras para a participação de órgãos e...
jul 11 2024

Brasil e Palestina firmam acordo de livre comércio no âmbito do Mercosul

Em 3 de julho de 2024, o Brasil depositou sua carta de ratificação ao Acordo de Livre Comércio entre o Mercosul e o Estado da Palestina. A carta foi...
jul 10 2024

Exportação de soja do Brasil fecha 1º semestre com alta de 2,2%; milho recua 28%

A exportação de soja do Brasil fechou o primeiro semestre com alta de 2,23% na comparação com o mesmo período do ano passado, para 64,15 milhões de...
jul 09 2024

Produção nacional de petróleo cresce 3,9% em maio

Em maio deste ano, houve aumento na produção de petróleo e na de gás natural, e também na produção do pré-sal. A produção total (petróleo + gás...
jul 08 2024

16,8 milhões de toneladas foram exportadas pelos portos do Paraná entre janeiro e maio

A exportação nos portos paranaenses cresceu 4% este ano em relação ao mesmo período do ano anterior, movimentando 16.861.765 toneladas, 715.435 a...
jul 05 2024

Banco Central eleva estimativa do PIB para 2,3% neste ano

O Banco Central (BC) elevou a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, de 1,9% para 2,3%, segundo o relatório de inflação...
jul 04 2024

Colheita do milho da segunda safra paranaense alcança 42% da área

A colheita da segunda safra de milho 2023/24 avançou na última semana, chegando a 42% da área estimada em 2,42 milhões de hectares. Mas a Previsão...

Quem acredita na Marcon

Nossos Clientes