Após registrar sucessivos e crescentes superávits durante todo o ano, a balança comercial fechou o mês de novembro com um déficit de US$ 1,307 bilhão. No mesmo mês de 2020, as exportações superaram as importações em US$ 2,5 bilhões.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (1º.) pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia. Nos primeiros onze meses do ano, a balança acumulou um superávit de US$ 57,191 bilhões, superior em 20,5% ao saldo registrado em igual período do ano passado.

No mês de novembro, isoladamente, as exportações somaram US$ 20,296 bilhões, com um aumento de 23,2% sobre o mesmo mês de 2020, pela média diária. Enquanto isso, as importações totalizaram US$ 21,603 bilhões, alta de 53,1% igualmente pela média diária.

De janeiro a novembro, as exportações cresceram 34,9% pela média diária em relação aos primeiros onze meses do ano passado e totalizaram US$ 256,096 bilhões. As importações atingiram a cifra de US$ 198,905 bilhões, com uma alta de 39,7% comparativamente com igual período de 2020.

No acumulado de 2021, as exportações somaram US$ 256,096 bilhões, alta de 34,9%, pela média diária, em relação ao mesmo período de 2020. Já as importações ficaram em US$ 198,905 bilhões, aumento de 39,7% na mesma base de comparação.

Divulgados os dados da balança comercial relativos ao mês de novembro, fica descartada a possibilidade de a balança comercial fechar o ano de 2021 com um superávit de US$ 70,9 bilhões, conforme estimativa apresentada recentemente pela Secex.

Para chegar a esse número, a Secretaria projetou exportações no valor de US$ 281 bilhões e um total de US$ 210,1 bilhões em importações. Com isso, a previsão era de que a corrente de comércio (exportação+importação) totalizaria US$ 491,1 bilhões.

Em sua estimativa mais recente, a Secretaria indicou que a balança comercial deveria registrar em 2021 um superávit de US$ 70,9 bilhões, resultado de US$ 281 bilhões em exportações e US$ 210,1 bilhões em importações. A corrente de comércio ficaria em US$ 491,1 bilhões.

Por segmento, em novembro, as exportações do setor de agropecuária cresceram 16,47%, pela média diária, em relação ao mesmo mês do ano anterior. No caso da indústria extrativa, houve alta de 14,78% e da indústria de transformação, de 28,34%.

Em relação às importações, houve avanço de 61,82% nas compras da agropecuária, de 248,30% na indústria extrativa e de  43,47% na indústria de transformação, segundo informou a Secex.

Em relação aos países de destino, o dados da balança comercial em novembro mostram que a China, Hong Kong e Macau seguem como os principais mercados para os produtos brasileiros, com alta de 8,75%, pela média diária, em relação ao mesmo mês do ano anterior. As vendas totais para a Ásia tiveram um aumento de 14,42%. Na mesma base de comparação, as vendas para a América do Norte subiram 50,42%, para a América do Sul, 39,57% e, para a Europa, 12,80%.

No período janeiro-novembro, as vendas para a China avançaram 29,50% e, para toda a Ásia, 32,61%. Por outro lado, as exportações para a América do Norte avançaram 42,84%, para a América do Sul, 49,82%, e para a Europa, 28,64%, segundo os dados da Secex.

 

Fonte: Comex do Brasil