Marcon Logística Portuária

Superávit da balança comercial atinge US$ 89,5 bi no ano e é o maior da série, mostra Icomex

O superávit da balança comercial de novembro foi de US$ 8,8 bilhões, o que leva a um saldo de US$ 89,5 bilhões no acumulado do ano, puxado pela agropecuária e a indústria extrativista, informou o relatório do Indicador de Comércio Exterior (Icomex), divulgado nesta quinta-feira, 21, pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Independentemente do resultado de dezembro, já é o maior superávit na série histórica anual da balança comercial.

A variação mensal do volume exportado foi de 4,7% e a das importações ficou negativa, com recuo de 3,2%. No acumulado do ano, o volume avançou 8,7% e as importações recuaram 2,4%.

A China explicou 52,3% do superávit da balança comercial do Brasil no acumulado do ano. As vendas para o gigante asiático avançaram 30,1% em novembro ante o mesmo mês de 2022 e 29,3% de janeiro a novembro ante igual período do ano passado.

Os Estados Unidos contribuíram com a redução do déficit de US$ 13,6 bilhões para US$ 1,6 bilhões. No acumulado do ano, os embarques cresceram 6,4% ante igual período de 2022 e, no mês, o avanço foi de 27,5% novembro de 2022. A Argentina contribuiu com o aumento do superávit de US$ 2,3 bilhões para US$ 4,8 bilhões, com avanço de 9,4% no acumulado ante o período de janeiro a novembro de 2022. Na comparação de novembro deste ano com o do ano passado, as vendas brasileiras caíram 18,3%. Para todos os outros mercados selecionados, houve redução de superávit.

Nas importações, o relatório chama a atenção para a queda do volume importado dos Estados Unidos, de 21,1% na comparação do acumulado do ano. Na mesma comparação, as compras da China ficaram estáveis, enquanto as da Argentina recuaram 6,7% e as da União Européia, 2,9%. Já as compras de países asiáticos excluindo a China tiveram avanço em novembro ante o mesmo mês do ano passado, de 15,6%, e de 9,5% no acumulado.

O volume exportado da agropecuária – com aumento de 25% na comparação interanual no acumulado até novembro – e o crescimento em volume das vendas externas da indústria extrativa (18,8%) contribuíram para o superávit recorde. No mês de novembro, a indústria agropecuária liderou o volume exportado, com variação de 51,9% em relação a igual período de 2022. A indústria extrativa elevou o volume exportado em 5,2% e o da transformação recuou em 6,1%.

O aumento das exportações é resultado do desempenho das commodities de maneira geral. Em volume, as vendas externas de commodities aumentaram 21,2% na comparação interanual de novembro e recuaram em 5,8% para as exportações de não commodities. No acumulado do ano, ante igual período de 2022, a variação do volume exportado das commodities foi de 13,5% e das não commodities, uma queda de 1,7%. Os preços das commodities caem no acumulado do ano em 9,5% e das não commodities aumentam 0,5%.

A variação das exportações em volume do complexo soja foi de 60,4% em novembro contra o mesmo mês do ano passado. Se considerada apenas a soja, o aumento da quantidade foi de 105,8%. Por sua vez, o grupo de petróleo e derivados recuou 13,9% no mês de novembro. Mas, no acumulado do ano, as exportações de petróleo e derivados (22,5%), seguidas pelas do complexo soja (21,8%), lideram o aumento de quantidade embarcada. Todos os outros grupos registraram variação positiva, exceto carnes, com queda de 3,1%.

Os preços caem para todas as commodities, exceto para o grupo de outros agrícolas. A variação interanual dos preços foi negativa ao longo do ano, exceto em janeiro e fevereiro para as exportações. Para as importações, as exceções foram janeiro e março. Na comparação interanual do mês de novembro, os preços exportados recuaram 4,2% e os importados, 8,3%. No acumulado do ano, a queda de preços das exportações foi de 7% e a das importações, de 9,5%. Os preços caem para todos os setores.

Com o recuo nos preços, a variação em valor das exportações foi avanço de apenas 1% no acumulado do ano. No caso das importações, o recuo em valor foi de 11,8%, explicado pela queda de preços e de volume.

Cúpula de chefes de Estado

O Icomex também trouxe anotações sobre a 63ª Cúpula dos Chefes de Estado do Mercosul, realizada no último dia 7, no Rio de Janeiro. Foram destacados três fatos. Primeiro, a assinatura do acordo Mercosul-Singapura.

O país é o oitavo no ranking do destino das exportações brasileiras com participação de 2,3% e o 41º nas importações.

Até novembro de 2023, 65% das exportações brasileiras eram de óleos combustíveis e 15% de óleo bruto. “É pouco provável, pelo menos num horizonte de curto a médio prazo, que se diversifique essa pauta”, diz a FGV. “O acordo pode ser um facilitador para as empresas brasileiras que usam as vantagens tributárias oferecidas pelo país”, analisou.

Foi também assinado o Protocolo de Adesão do Estado Plurinacional da Bolívia ao Mercosul. A Bolívia é o 35º destino das exportações brasileiras e o 30º país de origem das importações brasileiras. As importações de gás natural representam 87% das compras brasileiras.

O terceiro ponto assinalado foi a não assinatura do Acordo Mercosul-União Europeia, que seria um fecho que marcaria o término da presidência pró-tempore do Brasil no Mercosul. “Num mundo de incertezas de alianças politicas e econômicas, o acordo teria uma contribuição positiva para o multilateralismo, afastando-se da polarização entre Estados Unidos e China.

Do ponto de vista do comércio, garantiria maior grau de previsibilidade para o setor agropecuário, pois as negociações da Organização Mundial do Comércio (OMC) estão estagnadas”, analisou a fundação, indicando que o maior impacto seria o acesso a bens de capital e intermediários a custos mais baixos que poderiam ter um impacto positivo na redução dos custos de produção da indústria brasileira.

 

Fonte: BOL / Agência Estadão

}

12.29.2023

Em Destaque

Relacionados

Balança comercial tem superávit de US$ 8,534 bi em maio

A queda de preços da soja e do minério de ferro fez o superávit da balança comercial cair em maio. No mês passado, o país exportou US$ 8,534 bilhões a mais do que importou, divulgou nesta quinta-feira (6) o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços...

Quer saber mais?

Entre em Contato

Siga a Marcon

Mercado & Novidades

Últimas Notícias

jun 17 2024

Portos do Paraná estreita ligação com dirigentes e investidores espanhóis

Empresa pública participou de intercâmbio no país europeu que contou com jornadas empresariais e visitas a instalações portuárias em Madri, Valência...
jun 14 2024

Balança comercial tem superávit de US$ 8,534 bi em maio

A queda de preços da soja e do minério de ferro fez o superávit da balança comercial cair em maio. No mês passado, o país exportou US$ 8,534 bilhões...
jun 13 2024

Argentina suspende antidumping sobre exportações brasileiras de talheres de aço inoxidável com cabo de madeira ou plástico

O governo do Brasil recebeu com satisfação a decisão do governo da República Argentina de suspender a medida antidumping aplicada às exportações...
jun 12 2024

Volume de soja exportada cai 13,6% em maio, e envios de carne bovina sobem 26%

O Brasil exportou 13,450 milhões de toneladas de soja em grão em maio, 13,69% a menos do que os 15,584 milhões de toneladas de igual período de...
jun 11 2024

Brasil faz acordo com China que pode aumentar exportação de café

O vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Geraldo Alckmin, assinou nesta quarta-feira (5)...
jun 10 2024

Brasil usa presidência do G20 para propor mudanças nas regras do comércio agrícola entre países

Nas discussões do G20, o grupo que reúne as maiores economias do mundo, o Brasil tem proposto ajustes no equilíbrio entre a expansão do comércio...
jun 07 2024

Mapa encerra maio com recorde histórico de aberturas de mercados para o mês

O mês de maio deste ano se encerra como o melhor maio da série histórica em termos de novos acordos comerciais no mercado mundial para produtos do...
jun 06 2024

Exportações do Brasil para os EUA superam os 12 bilhões de dólares no ano

O governo realizou, nesta semana, um seminário para marcar os “200 anos de amizade Brasil-Estados Unidos”. No encontro, a secretária de Comércio...
jun 05 2024

Com evolução de 34%, Paraná deve colher 646 mil toneladas de feijão em 2024

As condições climáticas têm refletido nas produções agrícolas de praticamente todo o País, e no Paraná também reduziram o potencial. Mesmo assim, em...
jun 04 2024

BNDES reduz de novo juros de linha especial para exportações brasileiras

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) promoveu nova redução de juros no BNDES Exim Pré-Embarque, linha de crédito que...

Quem acredita na Marcon

Nossos Clientes