Os Portos do Paraná estão mais seguros, de acordo com a Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho (GSST) da Diretoria de Meio Ambiente da empresa pública. A Gerência se reuniu nesta semana para avaliar as metas e definir os próximos passos para expandir os trabalhos de conscientização, educação e otimização das rotinas e protocolos de segurança.

Um dos pontos mais importantes, segundo o gerente José Sbravatti, foi o aumento considerável na resolução de problemas detectados pela equipe.

“Isso ocorreu em virtude da maior proximidade dos profissionais junto aos trabalhadores portuários e empresas que executam atividades dentro das áreas públicas”, afirma.

Segundo Sbravatti, as rotinas da equipe de Saúde e Segurança do Trabalho são focadas na mudança de cultura, visando a educação e expansão do comportamento seguro por parte dos usuários dos portos de Paranaguá e Antonina.

As principais ferramentas do sistema de gestão, segundo o assessor especialista em Saúde e Segurança do Trabalho, Felipe Zacharias, são a abordagem em relação ao comportamento através do Programa de Observação Comportamental (POC) e os Diálogos de Segurança.

“Neste último, tivemos uma grande evolução, triplicando o número de participantes nos eventos de conscientização nos seis primeiros meses de 2021, quando comparado com o número total do ano passado”, destaca Zacharias.

META – A cada início de mês, a equipe se reúne com o objetivo de acompanhar as metas individuais e coletivas da Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho; compartilhar as ações de melhoria implementadas e os respectivos status; discutir os resultados e alinhar novas estratégias de atuação.

Entre as ações em andamento, com o objetivo de tornar os portos paranaenses ainda mais seguros, a equipe destaca a elaboração de procedimentos operacionais nas áreas de responsabilidade da Portos do Paraná. Atualmente, além do regulamento do Sistema de Gestão Integrado (SGI) e dos procedimentos publicados, existem outros 17 documentos prioritários para serem elaborados.

“A criação desses procedimentos trará ainda mais clareza e objetividade quanto aos critérios de saúde e segurança, facilitando o entendimento e aplicabilidade pela comunidade portuária”, afirma José Sbravatti.

GESTÃO – Com o início do novo contrato de Saúde e Segurança do Trabalho, no último mês de maio, de acordo com Felipe Zacharias, tornou-se possível ter trabalho de apoio à fiscalização 24 horas por dia, em todas as áreas sob gestão da Portos do Paraná.

“Montamos o nosso planejamento estratégico do ano revisando metas já existentes e visando melhores resultados na atuação do corpo técnico do contrato e das equipes próprias da Portos do Paraná”, diz o especialista.

INTEGRAÇÃO – As equipes de Saúde e Segurança da Portos do Paraná trabalham integradas com as equipes externas o que aumenta ainda mais a capilaridade das ações da pasta.

“A integração com os diversos atores envolvidos nas operações portuárias, como Operadores Portuários, Agentes Marítimos, OGMO, prestadores de serviço, entre outros, é de fundamental para que a Autoridade Portuária cumpra com seu papel de forma eficaz e coerente às necessidades e particularidades existentes em nossas operações”, comenta Felipe Zacharias.

Quando se atua de forma conjunta, principalmente na construção dos normativos, como acrescenta Sbravatti, é possível minimizar a probabilidade de ocorrência de desvios e problemas de segurança nas operações. “Além, é claro, de criar oportunidades para que as partes interessadas possam opinar e contribuir na construção das soluções”, diz o gerente.

 

Fonte: Portos do Paraná