Marcon Logística Portuária

Novo sistema de preços de transferência fortalece acessão do Brasil à OCDE

Os avanços na construção do novo sistema de preços de transferência brasileiro representam um importante passo do país rumo à acessão à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). A avaliação foi feita pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, durante evento realizado nesta terça-feira pela Receita Federal e representantes da entidade internacional.

De acordo com Paulo Guedes, o novo sistema de preços de transferência nacional para integração às cadeias globais de valor e desenvolvimento fortalecerá a integração brasileira aos grandes mercados internacionais e permitirá ampliar a atração de novos investimentos.

“O grande avanço que estamos comemorando hoje é que, à medida que tenhamos sucesso nessa convergência, evitamos dois males: o mal da tributação excessiva, da bitributação que impede os investimentos; e o mal da evasão, através de transferência de lucros para legislações que tenham tributações mais favoráveis”, declarou Paulo Guedes. “Isso é fundamental porque nos permite ter um ganho de eficiência, com alocação eficaz dos investimentos em toda essa comunidade global que está se abraçando através da convergência dessas práticas”, continuou o ministro.

O sistema de preços de transferência do Brasil foi estabelecido em 1996 e permanece relativamente inalterado desde então, sem incorporar o progresso das orientações encontradas nas diretrizes da OCDE.

Histórico

Durante o evento, o secretário especial da Receita Federal, Julio Cesar Vieira Gomes, explicou que o Brasil – representado pela Receita Federal – e a OCDE vêm desenvolvendo em conjunto, desde 2018, um projeto para a avaliação da legislação brasileira acerca dos preços de transferência. Em 2019, foi publicado extenso e aprofundado relatório com a conclusão dessa análise.

“Confirmamos na ocasião e na sua sequência que o Brasil já apresenta elementos importantes de simplificação da sua legislação, o que consagra e torna possível uma maior segurança jurídica”, afirmou Gomes. “Mas, na mesma ocasião, também identificamos que havia e ainda há alguns elementos necessários para aperfeiçoamento, de forma a evitarmos a dupla tributação e a dupla não-tributação, que são elementos bastante prejudiciais aos nossos objetivos no que se refere aos preços de transferências e ao nosso alinhamento às diretrizes da OCDE”, salientou o secretário especial.

Segundo Gomes, superar esses elementos ainda carentes de um maior aperfeiçoamento possibilitará que o Brasil seja mais atrativo a investimentos externos. “Isso permitirá uma maior integração do país às cadeias globais econômicas e o desenvolvimento, ampliação e proteção da sua base tributável”, reforçou.

Multilateralismo

O ministro Paulo Guedes advertiu, ainda, que a apresentação da proposta para o novo sistema de preços de transferência brasileiro torna-se mais importante no atual momento, em que aumentou o risco geopolítico no mundo. Ele apontou que a instabilidade global – iniciada com a pandemia da Covid-19 e agora acentuada pela guerra na Ucrânia – leva a um cenário de maiores pressões protecionistas, com aumento das sanções econômicas e alta inflacionária em escala mundial.

“Este é momento em que não podemos hesitar. O Brasil quer ter acesso à OCDE para reafirmar os seus valores e a sua crença no multilateralismo para a convergência de procedimento e valores e, principalmente, para manter o sistema global funcionando, do ponto de vista de investimento, comércio, e celebrando o estágio de civilização que atingimos”, completou Paulo Guedes, lembrando da importância do país para a segurança alimentar e energética em escala mundial.

Em maio de 2017, o Brasil enviou pedido formal para iniciar o processo para tornar-se membro da OCDE. Em janeiro de 2022, o país recebeu carta-convite para ingressar na instituição.

 

Fonte: Ministério da Economia

}

04.19.2022

Em Destaque

Relacionados

Quer saber mais?

Entre em Contato

Siga a Marcon

Mercado & Novidades

Últimas Notícias

jun 18 2024

Paraná exporta US$ 9,52 bilhões nos cinco primeiros meses de 2024

As exportações paranaenses somaram US$ 9,52 bilhões (R$ 51 bilhões na cotação atual) entre janeiro a maio de 2024, consolidando o Estado como o...
jun 17 2024

Portos do Paraná estreita ligação com dirigentes e investidores espanhóis

Empresa pública participou de intercâmbio no país europeu que contou com jornadas empresariais e visitas a instalações portuárias em Madri, Valência...
jun 14 2024

Balança comercial tem superávit de US$ 8,534 bi em maio

A queda de preços da soja e do minério de ferro fez o superávit da balança comercial cair em maio. No mês passado, o país exportou US$ 8,534 bilhões...
jun 13 2024

Argentina suspende antidumping sobre exportações brasileiras de talheres de aço inoxidável com cabo de madeira ou plástico

O governo do Brasil recebeu com satisfação a decisão do governo da República Argentina de suspender a medida antidumping aplicada às exportações...
jun 12 2024

Volume de soja exportada cai 13,6% em maio, e envios de carne bovina sobem 26%

O Brasil exportou 13,450 milhões de toneladas de soja em grão em maio, 13,69% a menos do que os 15,584 milhões de toneladas de igual período de...
jun 11 2024

Brasil faz acordo com China que pode aumentar exportação de café

O vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Geraldo Alckmin, assinou nesta quarta-feira (5)...
jun 10 2024

Brasil usa presidência do G20 para propor mudanças nas regras do comércio agrícola entre países

Nas discussões do G20, o grupo que reúne as maiores economias do mundo, o Brasil tem proposto ajustes no equilíbrio entre a expansão do comércio...
jun 07 2024

Mapa encerra maio com recorde histórico de aberturas de mercados para o mês

O mês de maio deste ano se encerra como o melhor maio da série histórica em termos de novos acordos comerciais no mercado mundial para produtos do...
jun 06 2024

Exportações do Brasil para os EUA superam os 12 bilhões de dólares no ano

O governo realizou, nesta semana, um seminário para marcar os “200 anos de amizade Brasil-Estados Unidos”. No encontro, a secretária de Comércio...
jun 05 2024

Com evolução de 34%, Paraná deve colher 646 mil toneladas de feijão em 2024

As condições climáticas têm refletido nas produções agrícolas de praticamente todo o País, e no Paraná também reduziram o potencial. Mesmo assim, em...

Quem acredita na Marcon

Nossos Clientes