Marcon Logística Portuária

Com recorde de US$ 339,67 bilhões em vendas ao exterior, Brasil ganha 28 mil novos exportadores em 2023

A combinação da importação e da exportação levou ao saldo comercial de US$ 98,8 bilhões. Dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços mostram que houve crescimento de 1,7% nas exportações comparado o valor de janeiro a dezembro de 2023 (US$ 339,67 bilhões) com o mesmo período de 2022 (US$ 334,14 bilhões). Em relação às importações, houve queda de 11,7% entre o valor de janeiro a dezembro de 2023 (US$ 240,83 bilhões) com o mesmo período de 2022 (US$ 272,61 bilhões). Dessa forma, o valor da corrente de comércio totalizou US$ 580,51 bilhões. Corrente de comércio é a soma as exportações e importações em certo período. O resultado permite aferir a quantidade de recursos movimentados em transações comerciais no país.

Economista-chefe da Warren Investimentos e especialista em gestão pública, Felipe Salto avalia que o saldo comercial colabora para o crescimento econômico brasileiro. “Esse processo deve continuar em 2024. Por outro lado, precisamos avançar mais nos acordos comerciais, de modo a ampliar a corrente de comércio, isto é, a soma dos fluxos exportados e importados”, pondera.

Esse movimento, segundo Salto, precisa ampliar a integração brasileira com o resto do mundo, com foco em cadeias onde se possa turbinar a indústria de transformação nacional, que gera empregos de boa qualidade e com altos salários. “Para tanto, será importante a continuidade do processo de redução dos juros, mas também a consolidação fiscal e a preservação de compromissos mínimos nessa matéria”, completa.

Conheça, abaixo, as exportações por bloco e países em 2023:

No último ano, o principal destino dos produtos brasileiros foi a China. As exportações alcançaram US$ 105,75 bilhões, um aumento de 16,5% sobre 2022. É a primeira vez na história do comércio exterior brasileiro que as exportações para um único parceiro comercial ultrapassaram US$ 100 bilhões.

Por outro lado, houve queda nas exportações para dois parceiros de grande porte – Estados Unidos com diminuição de 1,5%, e União Europeia, com decréscimo de 9,1%. O crescimento das exportações foi puxado principalmente pela agropecuária (9%) e pela indústria extrativa (3,5%), enquanto as vendas totais da indústria de transformação tiveram queda de 2,3%.

Nos três setores, os produtos que mais se destacaram foram animais vivos, milho, soja, minérios, açúcares, alimentos para animais e instalações e equipamentos de engenharia civil.

Conheça, abaixo, as importações por bloco e países em 2023:

O continente asiático, maior comprador dos produtos brasileiros em 2023. Para países da Ásia, o Brasil exportou principalmente soja, milho, açúcar, minério de ferro e óleos brutos de petróleo. Quanto às importações, houve queda nos três setores, sendo 21% na agropecuária, 27% na indústria extrativa e 10%, de transformação. Os principais recuos foram compras de trigo e centeio, milho, látex, batata, carvão, petróleo, gás natural, combustíveis e adubos e fertilizantes, segundo os dados compilados pelo ministério.

O economista Ricardo Braga destaca a importância da China nesse contexto de superávit como “um vigor importador”. Ele reconhece a relação dos números a partir das iniciativas de aproximação do governo entre China e Brasil, mas acredita que, “dados os prazos para que o comércio internacional vá da decisão de fazer algo até finalizar as transações e impactar na balança comercial, [essa aproximação] não deve ter sido tão decisiva já em 2023”.

O coordenador do Núcleo de Estudos dos Países BRICS da Universidade Federal Fluminense, Evandro Carvalho, destaca a importância da China como parceiro comercial brasileiro, mas alerta: “O Brasil precisa ter um plano de longo prazo para não depender demasiadamente da exportação de soja, óleo, frango, entre outros, para a China, que está procurando, também, diversificar seus fornecedores. Este é um tema fundamental.”

Carvalho chama atenção para a importância de se exportar mais do que importar, no sentido de que o país aumente as reservas em dólar, gerando um saldo positivo que pode servir para compor políticas governamentais. Por outro lado, ocorre a possibilidade de que seja necessária uma importação maior para atender de forma momentânea um determinado setor. “O debate que se deve seguir daí é o que este bom desempenho tem significado para a reindustrialização do país e qual o impacto no mercado interno. Assim, por exemplo, um mercado de exportação aquecido não pode se dar às custas do preço ao consumidor brasileiro do mesmo produto”, destaca.

Apesar de reconhecer como um bom sinal o superávit com exportações, o pesquisador associado do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas e sócio da BRCG Consultoria Lívio Ribeiro afirma que a surpresa dos números se deve a uma redução muito mais forte e antecipada das importações, o que não é, necessariamente, uma notícia positiva.

“Chama atenção que toda a parcela ligada ao ciclo de investimentos na economia brasileira – bens intermediários, de capital e de consumo durável – reduziu bastante no decorrer de 2023. Esse é um sinal um pouco ruim, porque a economia importou menos porque investiu muito menos. A médio prazo, sem investimento, não se tem como manter taxas de crescimento robustas e sustentáveis.”

 

Fonte: R7

}

01.22.2024

Em Destaque

Relacionados

Quer saber mais?

Entre em Contato

Siga a Marcon

Mercado & Novidades

Últimas Notícias

fev 22 2024

Paraná é o terceiro estado que mais exporta carne de peru, aponta boletim do Deral

As exportações nacionais de carne de peru alcançaram 69.644 toneladas em 2023 e geraram receita de aproximadamente US$ 200,568 milhões. O Paraná é o...
fev 21 2024

Comércio Brasil-China inicia 2024 com fortes altas nas exportações e importações

O comércio entre o Brasil e a China teve um início de ano marcado pelo expressivo aumento de 53,7% nas exportações brasileiras, que somaram US$...
fev 20 2024

Brasil e Egito fortalecem relações comerciais para exportação de carnes com facilitações

Com a confirmação da missão do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao Egito nesta semana, o Ministério da Agricultura e Pecuária do...
fev 19 2024

Importação cresce ao maior patamar em 20 anos e indústria corre ao governo por proteção comercial

As importações alcançaram participação inédita no mercado da indústria em, pelo menos, 20 anos e provocaram uma corrida das empresas ao governo por...
fev 16 2024

Com alta da soja, Paraná registra maior volume de exportações para janeiro da história

Com US$ 1,82 bilhão em receitas obtidas com vendas para o mercado internacional em janeiro, o Paraná registrou em 2024 o maio volume de exportações...
fev 15 2024

Conab: colheita de grãos da safra 23/24 será menor do que o estimado

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que a colheita de grãos na safra 2023/2024 será 6% inferior ao volume colhido no período...
fev 14 2024

Portos do Paraná ultrapassa 65 milhões de toneladas movimentadas em 2023

A Portos do Paraná bateu um novo recorde de movimentação no ano de 2023, ultrapassando a marca de 65 milhões de toneladas. O anúncio do recorde...
fev 13 2024

Balança comercial tem superávit de US$ 6,527 bilhões em janeiro

Beneficiada pela queda nas importações de combustíveis, compostos químicos e pela safra recorde de soja e de café, a balança comercial – diferença...
fev 12 2024

Meganavio faz única escala no Porto de Paranaguá

O Porto de Paranaguá recebeu nesta quarta-feira (07) o meganavio MSC Elisa XIII, do armador Mediterranean Shipping Company (MSC) que fez uma escala...
fev 09 2024

Empresas apoiadas pela ApexBrasil exportaram US$ 140,7 bilhões em 2023

O ano de 2023 foi de recordes históricos para o comércio exterior brasileiro e para a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos...

Quem acredita na Marcon

Nossos Clientes