Marcon Logística Portuária

Antaq detalha impactos da pandemia no transporte marítimo

O medo causado pela covid-19 mudou muitos dos hábitos das pessoas. Entre eles, aumentou o de comprar via internet produtos estrangeiros, que têm como porta de entrada no mercado brasileiro os terminais portuários. Relatório divulgado hoje (28) pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) mostrou alguns dos impactos causados pela pandemia no transporte marítimo.

De acordo com a diretora da agência, Flávia Takafashi, no começo da pandemia, a infraestrutura do transporte marítimo brasileiro “não sentiu impacto direto”. Ela, no entanto, acrescenta que, no decorrer do tempo, “foi percebido aumento do valor do frete e falta de contêineres vazios para estufagem e rolagem de cargas nos portos brasileiros”.

Isso, segundo ela, causou um “efeito cascata para outras cobranças e serviços, como, por exemplo, o aumento de sobre-estadia de contêineres”. O levantamento citou também, entre os impactos observados, congestionamento de terminais e as chamadas omissões de escala – situação em que a empresa proprietária do navio decide desembarcar a mercadoria em um terminal portuário diferente do planejado.

O relatório, produzido por um grupo de trabalho criado pela Antaq em 2021, mostra que um dos primeiros reflexos a serem percebidos foi o congestionamento de caminhões nos acessos aos portos.

“Houve também fila de espera de navios; acúmulo de cargas nos pátios por conta do encerramento de operações; atrasos de embarques e desembarques; falta de mão-de-obra; e omissões de escala, que eram a programação do navio para determinado porto sendo cancelada por conta dos impactos da pandemia”, explicou Takafashi.

Problema mundial

Segundo o diretor-geral da Antaq, Eduardo Nery, “o problema foi mundial, mas o Brasil foi afetado, talvez, até menos do que outros países”. A expectativa da Antaq, ao produzir o relatório, foi a de identificar eventuais necessidades de reformulação regulatória do setor, de forma a amenizar os impactos negativos causados pela pandemia.

Na avaliação do diretor-geral, as constatações do levantamento já eram esperadas. “Os problemas [citados pelo relatório] já estavam no noticiário. Esse levantamento reuniu informações que já nos eram trazidas, mas reuniu evidências técnicas que materializaram as percepções que já se tinha”, disse ele ao informar que a Antaq já conta com medidas regulatórias suficientes para enfrentar os problemas descritos no relatório.

Omissão de escala

Nery, no entanto, não descartou a possibilidade de, no caso das omissões de escala, desenvolver “uma regulação mais refinada”, de forma a diminuir a falta de previsibilidade desse tipo de situação. “Esses dados são muito mais presentes do ponto de vista dos usuários [empresas que fazem uso de estruturas e serviços portuários]. Não é [uma questão] concorrencial. Mas, se provocados, avaliaremos e tomaremos as medidas necessárias”.

Ele lembrou que o levantamento foi feito em um “momento crítico, com os efeitos da pandemia ainda presentes”, e que, portanto, não se deve considerar esses números para estabelecer “eventuais restrições” para casos específicos.

O relatório da Antaq esclarece que, “em certa medida, as omissões de escalas são conhecidas como um fenômeno comum e necessário para a manutenção das programações das janelas de determinada rota de navegação”.

Ele acrescenta que, embora comuns, as omissões “sofreram aumentos expressivos nos últimos anos como reflexos advindos das políticas de lockdown implementadas por diversos países em resposta ao surgimento à pandemia; do aumento da demanda; e de questões estruturais que afetaram a logística de contêineres”.

Produtividade dos portos

Citando levantamentos produzidos por entidades estrangeiras, comparando dados do primeiro semestre de 2019 com dos primeiro e segundo semestres de 2021, Flávia Takafashi disse que houve queda na média de produtividade dos terminais portuários em muitos países.

“Como houve aumento de demanda e diminuição do número de navios, os navios passaram a ficar mais tempo nos portos, gerando uma diminuição de eficiência operacional no mundo todo. O Brasil acabou acompanhando essa diminuição de eficiência nos terminais”, disse.

“Mas vale observar que essa diminuição de eficiência não significa dizer que os portos estavam operando de maneira ineficiente. No Brasil, todos os portos trabalham com nível muito alto de eficiência. Nossos terminais são, de fato, muito eficientes”, acrescentou.

 

Fonte: Agência Brasil

}

08.05.2022

Em Destaque

Relacionados

MDIC lança manual sobre Regras de Origem para importações

A Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (Secex-MDIC) lançou na terça-feira (14/5) um manual sobre Regras de Origens aplicadas a produtos importados. Trata-se de uma ferramenta abrangente e de fácil acesso,...

ANTAQ visita os portos de Paranaguá e Antonina

A Portos do Paraná recebeu a visita da comitiva da Agência Nacional de Transporte Aquaviários (ANTAQ), nesta terça-feira (07). Os diretores, Alber Furtado de Vasconcelos Neto e Caio César Farias Leôncio, e o chefe da unidade regional de Curitiba, Thiago Fernando...

Quer saber mais?

Entre em Contato

Siga a Marcon

Mercado & Novidades

Últimas Notícias

maio 23 2024

Agronegócio bate recorde de exportações em abril, com US$ 15,24 bilhões

Com valor recorde, as vendas externas brasileiras de produtos do agronegócio foram de US$ 15,24 bilhões em abril de 2024, um valor 3,9% superior na...
maio 22 2024

MDIC lança manual sobre Regras de Origem para importações

A Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (Secex-MDIC) lançou na terça-feira (14/5) um...
maio 21 2024

Sem impacto do RS, Conab reduz projeção para safra de grãos 2023/24

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) reduziu novamente a estimativa para a produção brasileira total de grãos na safra de 2023/2024, que...
maio 20 2024

Balança comercial brasileira registra superávit de US$ 3,2 bi nas primeiras semanas de maio

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 3,205 bilhões nas duas primeiras semanas de maio, período com sete dias úteis. O valor...
maio 17 2024

Lula quer desdolarização proposta pela China, mas comércio exterior do Brasil é dominado pelo dólar

O governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está engajado nas tratativas do Brics (bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul)...
maio 16 2024

Governo Federal publica medida que autoriza importação de arroz

Para o enfrentamento das consequências sociais e econômicas decorrentes das enchentes no estado do Rio Grande do Sul, o Governo Federal publicou...
maio 15 2024

Com US$ 7,47 bilhões, Paraná bate recorde de exportações para um 1º quadrimestre

As exportações do Paraná no primeiro quadrimestre de 2024 bateram recorde para o período, somando US$ 7,47 bilhões. Melhor resultado da série...
maio 14 2024

Balança comercial tem superávit de US$ 9,041 bilhões em abril

Apesar da queda de preços da soja, do ferro e do petróleo, o superávit da balança comercial subiu em abril. No mês passado, o país exportou US$...
maio 13 2024

ANTAQ visita os portos de Paranaguá e Antonina

A Portos do Paraná recebeu a visita da comitiva da Agência Nacional de Transporte Aquaviários (ANTAQ), nesta terça-feira (07). Os diretores, Alber...
maio 10 2024

Brasil foi 2º principal destino de investimento estrangeiro em 2023, diz OCDE

Relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) recém-divulgado revela que o Brasil foi o segundo principal destino de...

Quem acredita na Marcon

Nossos Clientes