Marcon Logística Portuária

Portos e agentes de vigilância garantem segurança nas operações portuárias

Este ano, 469 navios atracaram nos Portos do Paraná. Apenas no mês de março, até a última quinta-feira (19), foram 124 embarcações recebidas para carregar ou descarregar nos berços paranaenses. Todos, sem exceção, passaram pelo controle e protocolo sanitários aplicados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

 A Anvisa é um dos órgãos anuentes, ou seja, um dos agentes responsáveis por deliberar (consentir ou não) as operações nos terminais do Estado. Assim, ocorre em todo e qualquer porto.

 “A anuência da Anvisa, atestada pela Livre Prática, é um dos itens da nossa lista de checagem. Sem esta, o navio nem entra na nossa previsão de programação. A embarcação só é considerada quando está totalmente de acordo, com todas as exigências cumpridas”, afirma o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Desde janeiro de 2020, a Portos do Paraná adota procedimentos mais rígidos no combate a Covid-19. “Mesmo antes do coronavírus ser considerado uma pandemia, já determinávamos quarentena dos navios vindos de áreas afetadas e fomos os primeiros portos do Brasil a exigir atestado de saúde também para os tripulantes que embarcariam em Paranaguá”, diz Garcia.

O chefe da unidade da Anvisa em Paranaguá, Roberto Busato, explica que o comandante deve informar a lista de toda a tripulação, com antecedência. “Eles têm que nos enviar a Declaração Marítima de Saúde, atualizada. Isso acontece com 100% dos navios anunciados. A omissão constitui infração sanitária”, afirma. Até hoje, segundo Busato, nunca teve recusa.

Caso seja informada ou constatada alguma anormalidade em relação ao estado de saúde da tripulação, a Anvisa, em conjunto com a Portos do Paraná, coloca em ação um plano de contingência específica, para cada situação.

CERTIFICADO – Como ainda detalha o representante local da Agência nacional, outro documento averiguado é o Certificado Sanitário de Bordo. Este, segundo Busato, tem validade de seis meses e deve ser mantido dentro do prazo. “Este outro documento atesta, além das condições gerais de saúde dos tripulantes, as condições de limpeza e desinfecção do navio, inexistência de pragas e as condições adequadas de manuseio e armazenamento dos alimentos a bordo”, acrescenta.

“Se esses dois documentos não estiverem OK, os navios não são autorizados a atracar e operar. Essa anuência é dada pelo Certificado de Livre Prática. Esta Livre Prática é uma condição sanitária que garante que o navio está em plenas condições sanitárias. Para os leigos, quer dizer que o navio está limpo”, diz Busato.

O chefe da Unidade local da Anvisa ainda ressalta que – mesmo seguindo todos esses protocolos preventivos – tanto a Agência, quanto a Autoridade Portuária e demais autoridades que atuam nos Portos do Paraná estão preparadas para atender qualquer situação adversa.

“Ainda que não seja visto pela população em geral, tudo é feito antecipadamente, preventivamente, para garantir a segurança sanitária durante as operações portuárias”, garante.

NAVIOS – Como explica o presidente do Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Paraná (Sindapar), Argyris Ikonomou, os comandantes enviam essas informações sanitárias às Agências que, por sua vez, comunicam a Anvisa.

 “A Anvisa faz uma análise minuciosa dos documentos e, desde que não haja nenhum problema de saúde, condições de higiene ou sanitária a bordo, ela emite o certificado de Livre Prática para, só então, o navio atracar no porto e iniciar a operação”, confirma.

Pela própria declaração marítima de saúde e pelas informações que são recebidas dos comandantes dos navios, se tem uma noção do estado de saúde das pessoas a bordo. “É óbvio que o próprio comandante, se houver algum problema de saúde, seria um dos primeiros a informar as autoridades para que se tomem as providências. Até porque, a bordo está ele e todo os demais da tripulação e o problema seria coletivo e não individual. É interesse deles também”, comenta o agente.

Segundo o representante do Sindapar, os próprios armadores e comandos dos navios estão tomando, há tempos, todas as medidas preventivas.

E-MAIL – Em um email recebido por umas das agências marítimas, esta semana, o comandante do navio Mv Rosco Poplar, que carrega soja, no Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá, requisita o seguinte para os envolvidos na operação, em livre tradução:

“Boa tarde prezados (as)

Aos envolvidos no MV Rosco Poplar, o próximo a atracar no 214, segue instruções do Comandante para atendimento a bordo:

Para todos os oficiais da Autoridade Portuária, trabalhadores da estiva que atenderão a bordo do meu navio para:

(1) Estarem bem protegidos com equipamentos de proteção, como máscaras faciais, luvas, etc.;

(2) Saudáveis e sem os sintomas da febre de qualquer grau, tosse ou dificuldade em respirar etc;

(3) Tentar manter a distância de 2 metros ou mais da minha tripulação;

(4) Tentar não entrar na acomodação da tripulação ou mínimo tempo de permanência, se for necessário entrar;

(5) Ter boa colaboração com vigia de portaló quando este for medir a temperatura do corpo e registrar no livro de visita do navio.

Agradecemos antecipadamente à todos os oficiais/Autoridades Portuárias e trabalhadores.

O comandante apreciará grandemente o entendimento e a boa cooperação na prevenção contra o COVID-19.

Os meus cumprimentos
Mestre / Capt.
M.V. ROSCO POPLAR”

Fonte: Portos do Paraná

}

03.30.2020

Em Destaque

Relacionados

Quer saber mais?

Entre em Contato

Siga a Marcon

Mercado & Novidades

Últimas Notícias

jun 18 2024

Paraná exporta US$ 9,52 bilhões nos cinco primeiros meses de 2024

As exportações paranaenses somaram US$ 9,52 bilhões (R$ 51 bilhões na cotação atual) entre janeiro a maio de 2024, consolidando o Estado como o...
jun 17 2024

Portos do Paraná estreita ligação com dirigentes e investidores espanhóis

Empresa pública participou de intercâmbio no país europeu que contou com jornadas empresariais e visitas a instalações portuárias em Madri, Valência...
jun 14 2024

Balança comercial tem superávit de US$ 8,534 bi em maio

A queda de preços da soja e do minério de ferro fez o superávit da balança comercial cair em maio. No mês passado, o país exportou US$ 8,534 bilhões...
jun 13 2024

Argentina suspende antidumping sobre exportações brasileiras de talheres de aço inoxidável com cabo de madeira ou plástico

O governo do Brasil recebeu com satisfação a decisão do governo da República Argentina de suspender a medida antidumping aplicada às exportações...
jun 12 2024

Volume de soja exportada cai 13,6% em maio, e envios de carne bovina sobem 26%

O Brasil exportou 13,450 milhões de toneladas de soja em grão em maio, 13,69% a menos do que os 15,584 milhões de toneladas de igual período de...
jun 11 2024

Brasil faz acordo com China que pode aumentar exportação de café

O vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Geraldo Alckmin, assinou nesta quarta-feira (5)...
jun 10 2024

Brasil usa presidência do G20 para propor mudanças nas regras do comércio agrícola entre países

Nas discussões do G20, o grupo que reúne as maiores economias do mundo, o Brasil tem proposto ajustes no equilíbrio entre a expansão do comércio...
jun 07 2024

Mapa encerra maio com recorde histórico de aberturas de mercados para o mês

O mês de maio deste ano se encerra como o melhor maio da série histórica em termos de novos acordos comerciais no mercado mundial para produtos do...
jun 06 2024

Exportações do Brasil para os EUA superam os 12 bilhões de dólares no ano

O governo realizou, nesta semana, um seminário para marcar os “200 anos de amizade Brasil-Estados Unidos”. No encontro, a secretária de Comércio...
jun 05 2024

Com evolução de 34%, Paraná deve colher 646 mil toneladas de feijão em 2024

As condições climáticas têm refletido nas produções agrícolas de praticamente todo o País, e no Paraná também reduziram o potencial. Mesmo assim, em...

Quem acredita na Marcon

Nossos Clientes