Marcon Logística Portuária

O futuro da reforma tributária nas importações e exportações

A tão comentada reforma tributária tem como principal premissa simplificar a cobrança de impostos no Brasil. A proposta está prestes a entrar em sua primeira fase e terá sua implementação conduzida de forma gradual, mas já vem ganhando diversas abordagens sobre seus impactos em diferentes setores da economia. E com o comércio exterior o cenário não seria outro.

O setor, responsável pelas negociações de importações e exportações do país, também compila dúvidas e incertezas sobre a reforma, entrando na fila dos esclarecimentos. Com influências que serão sentidas na legislação aduaneira e cobrança de taxas, a mudança que deve prevalecer é a unificação de impostos. Funcionando como a ponte que cria a relação internacional do Brasil, o comércio exterior tem possíveis vantagens e desafios para vivenciar com a reforma. Por isso, estar atento às mudanças de tributação será essencial para importadoras e exportadoras.

Para a reforma alcançar o objetivo de encerrar a “guerra fiscal” entre os estados, impulsionar o crescimento econômico com taxações mais simples e tornar o mercado mais justo, alguns desafios devem ser enfrentados. Os custos tributários, como tarifas aduaneiras, são o principal ponto de atenção para o custo de transações das empresas. Com as mudanças no esqueleto de impostos, a competitividade no mercado global cresce de modo a estimular uma atuação mais incisiva por conformidade, especialmente do ponto de vista de importadoras e exportadoras. De fato, a complexidade tributária é uma questão a ser ponderada, conforme regras, diferentes impostos e alíquotas, exigem uma abordagem mais detalhada e estratégica, para que possíveis riscos acabem mitigados.

Não por acaso, a reforma deve incentivar a redução desses impostos para garantir a expansão do comércio exterior. Atualmente, a burocracia envolvida no processo de importar ou exportar requer atenção aos detalhes. Há documentos primordiais para a efetivação da operação, instaurando mais um desafio para o mercado internacional.

No ramo da importação, será implementado o IS (Imposto Seletivo), com finalidade extrafiscal. Essa ação visa desestimular o consumo de alguns bens e serviços que ferem a saúde ou o meio ambiente. Além do IS, as novidades serão a CBS (Contribuição sobre Bens e Serviços) e o IBS (Imposto sobre Bens e Serviços). Também no segmento de importação, a CBS substituirá o PIS e COFINS, enquanto o IBS substituirá o ICMS e ISS.  No setor de exportação, a maior manutenção será na desoneração, que não incidirá sobre os impostos IS, CBS e IBS e dará direito à manutenção de créditos ao exportador. A taxa de IE (Imposto de Exportação) será mantida, até novos alertas sobre o desdobramento da reforma.

Com um período de transição cauteloso, somando sete anos no total, é esperado que não haja prejuízos com a unificação dos impostos. Os benefícios de simplificar tributos não podem cegar os efeitos que essas mudanças podem trazer ao comércio do país. Planejamento e cautela estão sendo fatores decisivos para debates da reforma.

O intuito principal do projeto, de simplificar as regras fiscais, vai de encontro à possibilidade de novas oportunidades para as importações e exportações no país. Em primeira instância, oportunidades de digitalizar e atualizar processos das equipes, principalmente, do setor de logística, será essencial. Assim, o controle de custos, a organização de documentos e a relação de informações compartilhadas com outras áreas será uma alavanca para novas estratégias no mundo corporativo internacional.

Simplificação e transparência também prometem configurar como pilares na estrutura da reforma, a fim de tornar todo o sistema tributário mais fácil de entender e de cumprir, reduzindo linhas burocráticas desnecessária. Ademais, estimular a exportação e criar incentivos fiscais são duas grandes promessas que podem vincular um ambiente de mercado internacional mais competitivo e incentivar exportações.

Para finalizar, é evidente que a reforma traz um novo plano de fundo para o futuro do comércio exterior brasileiro. Tentando alcançar novos voos, a remodelação dos impostos proporcionará ganhos não somente para os exportadores, mas também para o país, em termos de competitividade e relação com o comércio internacional. A reformulação é necessária para prevenir que os atuais comportamentos tributários, ilhados de complexidade, enfraqueçam a exportação e comprometam a produção industrial brasileira. Contando com a força de proteção com a qual a Reforma Tributária se apresenta, será possível aproximar negociações e valorizar a posição do Brasil no comércio internacional.

Fonte: Gazeta do Povo

}

02.29.2024

Em Destaque

Relacionados

Quer saber mais?

Entre em Contato

Siga a Marcon

Mercado & Novidades

Últimas Notícias

abr 18 2024

Empresas no Paraná garantem R$ 468 milhões do BNDES para exportação

Empresas no Paraná realizaram quatro operações com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para financiamento de exportações...
abr 17 2024

Portos do Paraná e de Santos assinam carta de intenções

Os dois maiores portos do Brasil assinaram, nesta quinta-feira (11), uma carta de intenções com o objetivo de desenvolver acordos de cooperação...
abr 16 2024

OMC prevê que comércio global vai se recuperar de forma lenta, porém constante

O comércio global de mercadorias deve se recuperar neste ano, porém de forma mais lenta do que o esperado anteriormente, depois de apenas seu...
abr 15 2024

Com US$ 5,4 bilhões no 1º trimestre, Paraná segue como maior exportador do Sul

As exportações do Paraná somaram US$ 5,42 bilhões no 1º trimestre do ano, um acréscimo de 4,7% em relação ao mesmo período do ano passado (US$ 5,2...
abr 12 2024

Chanceler argentina vê progresso em acordo Mercosul-UE, apesar de “mal-entendidos”

A ministra das Relações Exteriores, Comércio Internacional e Culto da Argentina, Diana Mondino, afirmou na sexta-feira que as negociações sobre o...
abr 11 2024

Ministério revisa para baixo projeção de superávit comercial

A queda no preço de mercadorias, principalmente dos bens agropecuários, fez o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC)...
abr 10 2024

Exportação por empresas em 2023 teve forte concentração nos estados do Sul-Sudeste

As regiões Norte e Centro Oeste foram as que tiveram o maior aumento percentual de novas empresas brasileiras exportadoras em 2023, segundo estudo...
abr 09 2024

Balança comercial tem superávit de US$ 7,482 bilhões em março

A queda de preços da soja e do petróleo e o feriado de Semana Santa fizeram o superávit da balança comercial cair em março. No mês passado, o país...
abr 08 2024

Porto de Paranaguá recebe maior navio da história do Paraná em capacidade

O navio porta-contêineres MSC C. Montaine, que atracou neste domingo (31) no Porto de Paranaguá, conquistou o título de maior embarcação em...
abr 05 2024

Brasil exportará ovos e carnes de aves para El Salvador

O Governo Federal anunciou nesta sexta-feira (29/3) ter recebido o anúncio, pelo governo de El Salvador, da aprovação sanitária que autoriza o...

Quem acredita na Marcon

Nossos Clientes