O Governo do Estado promoveu nesta semana a primeira rodada de conversas com investidores internacionais sobre a Nova Ferroreste. Esta é mais uma etapa para a viabilização do projeto do corredor de exportações que deverá ser o segundo maior do País. O Grupo de Trabalho do Plano Estadual Ferroviário (GT Ferrovias) esteve reunido com representantes da companhia ferroviária Russian Railways (RZD) para apresentar o projeto que pretende implantar a nova malha ferroviária que terá 1.285 quilômetros de extensão total, ligando Maracaju (MS) ao Porto de Paranaguá (PR).

O diretor da Divisão para América Latina da RZD International, Andrey Grebenyuk, ressaltou a Nova Ferroeste como uma oportunidade única e viu com entusiasmo a qualificação do projeto como sustentável, assim como os números econômicos que a qualificam, segundo ele, na vanguarda dos empreendimentos de infraestrutura no Brasil.

“Estamos impressionados com os resultados apresentados nos estudos preliminares da Nova Ferroeste. Sem dúvida, um projeto construído com o propósito da sustentabilidade e ao mesmo tempo rentável para o investidor estrangeiro”, afirmou o diretor da RZD. No encontro, o grupo sinalizou interesse em estabelecer parcerias com empresas brasileiras na viabilização do projeto.

Para o Luiz Henrique Fagundes, coordenador GT Ferrovias, a reunião foi fundamental para que a empresa, que é referência mundial no modelo de transporte, compreendesse a dimensão da importância para o desenvolvimento do agronegócio no País.

O Governo pretende continuar as conversas com os investidores estrangeiros e já articula para as próximas semanas encontros com empreiteiras italianas, empreendedores chineses e ingleses.

O consórcio que vencer a concorrência será também responsável pelas obras. O investimento estimado é de R$ 20 bilhões.

FERROVIA – O projeto busca implementar o segundo maior corredor de transporte de grãos e contêineres do País. Pelo planejamento, será construída uma estrada de ferro entre Maracaju, maior produtor de grãos do Mato Grosso do Sul, até Cascavel, no Oeste Paranaense. De lá, o trem segue pelo atual traçado da Ferroeste com destino a Guarapuava – os 246 quilômetros de ferrovias atuais serão modernizados –, até se ligar a uma nova ferrovia que vai da região Central do Estado ao Porto de Paranaguá, cortando a Serra do Mar. Há previsão, ainda, de um novo ramal entre Cascavel e Foz do Iguaçu.

IMPACTO – De acordo com os técnicos responsáveis pelo estudo, a construção da ferrovia terá um impacto imenso dentro da logística nacional, diminuindo custos e ampliando a capacidade de exportação.

A área de influência direta abrange 925 municípios de três países. São 773 do Brasil, 114 do Paraguai e 38 da Argentina. No Brasil, impacta diretamente 425 cidades do Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, totalizando cerca de 9 milhões de pessoas. A área representa 3% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

SOBRE A RZD – Ferrovias Russas (RZD) é a companhia ferroviária da Rússia e uma das maiores companhias ferroviárias do mundo, com 1,2 milhão de funcionários e um monopólio dentro do país. A extensão total da malha ferroviária usada pela RZD é de 85.500 quilômnetros, uma das maiores do mundo.

A companhia é responsável por 3,6% do PIB russo, e detém o controle de 80% do transporte de passageiros e 82% do transporte de cargas no país. Por ano, aproximadamente 1,3 bilhão de passageiros e 1,3 bilhão de toneladas de cargas viajam via RZD. A empresa possui em torno de 20 mil locomotivas, 25 mil vagões de passageiros e 650 mil vagões de cargas.

 

Fonte: Paiquerê News