Marcon Logística Portuária

Exportação sobe 7,8% e balança comercial tem superávit de US$ 1,402 bilhão na 3ª. semana de março

A balança comercial registrou superávit de US$ 1,402 bilhão e corrente de comércio de US$ 7,886 bilhões, na terceira semana de março. Os dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia, divulgados nesta segunda-feira (23/03), apontam exportações no valor de US$ 4,644 bilhões e importações de US$ 3,242 bilhões.

No mês, as exportações somam US$ 13,257 bilhões e as importações, US$ 10,575 bilhões, com saldo positivo de US$ 2,683 bilhões e corrente de comércio de US$ 23,832 bilhões. No ano, as exportações totalizam US$ 44,114 bilhões e as importações US$ 40,009 bilhões, com saldo positivo de US$ 4,105 bilhões e corrente de comércio de US$ 84,123 bilhões.

Veja os dados completos da balança comercial

A média das exportações da terceira semana chegou a US$ 928,7 milhões, resultado 7,8% acima da média de US$ 861,4 milhões até a segunda semana, em razão do aumento nas exportações de produtos semimanufaturados (+17,3%, de US$ 107,8 milhões para US$ 126,5 milhões, em razão de açúcar em bruto, ferro fundido, alumínio em bruto, celulose, óleo de soja em bruto) e básicos (+17,9%, de US$ 461,0 milhões para US$ 543,6 milhões, por conta de soja em grãos, farelo de soja, minério de ferro, café em grão, minério de manganês).

Por outro lado, caíram as exportações de produtos manufaturados (-11,6%, de US$ 292,5 milhões para US$ 258,6 milhões, em razão, principalmente, de óleos combustíveis, gasolina, suco de laranja não congelado, automóveis de passageiros, partes de motores e turbinas para aviação). Do lado das importações, houve queda de 11,6% sobre igual período – média da terceira semana, de US$ 648,4 milhões, sobre a média até a segunda semana, de US$ 733,3 milhões –, explicada, principalmente, pela diminuição nos gastos com equipamentos eletroeletrônicos, químicos orgânicos e inorgânicos, aeronaves e peças, filamentos e fibras sintéticas/artificiais, alumínio e suas obras.

Análise do Mês

Nas exportações, comparadas as médias até a terceira semana de março de 2020 (US$ 883,8 milhões) com a de março de 2019 (US$ 917,3 milhões), houve queda de 3,6%, em razão da diminuição nas vendas de produtos manufaturados (-9,8%, de US$ 311,9 milhões para US$ 281,2 milhões, por conta de partes de motores e turbinas para aviação, máquinas e aparelhos para terraplanagem, torneiras, válvulas e partes, etanol, aviões) e básicos (-1,7%, de US$ 497,3 milhões para US$ 488,6 milhões, por conta, principalmente, de minério de ferro, fumo em folhas, minério de cobre, milho em grãos, farelo de soja).

Por outro lado, cresceram as exportações de produtos semimanufaturados (+5,5%, de US$ 108,1 milhões para US$ 114 milhões, por conta de semimanufaturados de ferro/aço, açúcar em bruto, ferro fundido, alumínio em bruto, ouro em formas semimanufaturadas). Relativamente a fevereiro de 2020, houve queda de 2,7%, em virtude da diminuição nas vendas de

produtos manufaturados (-7,4%, de US$ 303,7 milhões para US$ 281,2 milhões) e básicos (-2,5%, de US$ 501,2 milhões para US$ 488,6 milhões), enquanto cresceram as exportações de produtos semimanufaturados (+9,9%, de US$ 103,7 milhões para US$ 114 milhões). Nas importações, a média diária até a terceira semana de março deste ano, de US$ 705 milhões, ficou 2% acima da média de março do ano passado, de US$ 691,2 milhões. Nesse comparativo, cresceram os gastos, principalmente, com bebidas e álcool (+56%), siderúrgicos (+44,5%), plásticos e obras (+13,5%), equipamentos mecânicos (+8,9%) e equipamentos eletroeletrônicos (+7,4%). Ante fevereiro de 2020, houve queda de 4,3%, pelas diminuições em cobre e suas obras (-23,2%), combustíveis e lubrificantes (-23%), farmacêuticos (-13,4%), químicos orgânicos e inorgânicos (-5,4%), veículos automóveis e partes (-1,6%).

A média das exportações da terceira semana chegou a US$ 928,7 milhões, resultado 7,8% acima da média de US$ 861,4 milhões até a segunda semana, em razão do aumento nas exportações de produtos semimanufaturados (+17,3%, de US$ 107,8 milhões para US$ 126,5 milhões, em razão de açúcar em bruto, ferro fundido, alumínio em bruto, celulose, óleo de soja em bruto) e básicos (+17,9%, de US$ 461,0 milhões para US$ 543,6 milhões, por conta de soja em grãos, farelo de soja, minério de ferro, café em grão, minério de manganês). Por outro lado, caíram as exportações de produtos manufaturados (-11,6%, de US$ 292,5 milhões para

US$ 258,6 milhões, em razão, principalmente, de óleos combustíveis, gasolina, suco de laranja não congelado, automóveis de passageiros, partes de motores e turbinas para aviação).

Do lado das importações, houve queda de 11,6% sobre igual período – média da terceira semana, de US$ 648,4 milhões, sobre a média até a segunda semana, de US$ 733,3 milhões –, explicada, principalmente, pela diminuição nos gastos com equipamentos eletroeletrônicos, químicos orgânicos e inorgânicos, aeronaves e peças, filamentos e fibras sintéticas/artificiais, alumínio e suas obras. Análise do Mês

Nas exportações, comparadas as médias até a terceira semana de março de 2020 (US$ 883,8 milhões) com a de março de 2019 (US$ 917,3 milhões), houve queda de 3,6%, em razão da diminuição nas vendas de produtos manufaturados (-9,8%, de US$ 311,9 milhões para US$ 281,2 milhões, por conta de partes de motores e turbinas para aviação, máquinas e aparelhos para terraplanagem, torneiras, válvulas e partes, etanol, aviões) e básicos (-1,7%, de US$ 497,3 milhões para US$ 488,6 milhões, por conta, principalmente, de minério de ferro, fumo em folhas, minério de cobre, milho em grãos, farelo de soja).

Por outro lado, cresceram as exportações de produtos semimanufaturados (+5,5%, de US$ 108,1 milhões para US$ 114 milhões, por conta de semimanufaturados de ferro/aço, açúcar em bruto, ferro fundido, alumínio em bruto, ouro em formas semimanufaturadas). Relativamente a fevereiro de 2020, houve queda de 2,7%, em virtude da diminuição nas vendas de produtos manufaturados (-7,4%, de US$ 303,7 milhões para US$ 281,2 milhões) e básicos (-2,5%, de US$ 501,2 milhões para US$ 488,6 milhões), enquanto cresceram as exportações de produtos semimanufaturados (+9,9%, de US$ 103,7 milhões para US$ 114 milhões).

Nas importações, a média diária até a terceira semana de março deste ano, de US$ 705 milhões, ficou 2% acima da média de março do ano passado, de US$ 691,2 milhões. Nesse comparativo, cresceram os gastos, principalmente, com bebidas e álcool (+56%), siderúrgicos (+44,5%), plásticos e obras (+13,5%), equipamentos mecânicos (+8,9%) e equipamentos eletroeletrônicos (+7,4%).

Ante fevereiro de 2020, houve queda de 4,3%, pelas diminuições em cobre e suas obras (-23,2%), combustíveis e lubrificantes (-23%), farmacêuticos (-13,4%), químicos orgânicos e inorgânicos (-5,4%), veículos automóveis e partes (-1,6%).

Fonte: Comex do Brasil

}

04.02.2020

Em Destaque

Relacionados

Balança comercial tem superávit de US$ 8,534 bi em maio

A queda de preços da soja e do minério de ferro fez o superávit da balança comercial cair em maio. No mês passado, o país exportou US$ 8,534 bilhões a mais do que importou, divulgou nesta quinta-feira (6) o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços...

Quer saber mais?

Entre em Contato

Siga a Marcon

Mercado & Novidades

Últimas Notícias

jun 17 2024

Portos do Paraná estreita ligação com dirigentes e investidores espanhóis

Empresa pública participou de intercâmbio no país europeu que contou com jornadas empresariais e visitas a instalações portuárias em Madri, Valência...
jun 14 2024

Balança comercial tem superávit de US$ 8,534 bi em maio

A queda de preços da soja e do minério de ferro fez o superávit da balança comercial cair em maio. No mês passado, o país exportou US$ 8,534 bilhões...
jun 13 2024

Argentina suspende antidumping sobre exportações brasileiras de talheres de aço inoxidável com cabo de madeira ou plástico

O governo do Brasil recebeu com satisfação a decisão do governo da República Argentina de suspender a medida antidumping aplicada às exportações...
jun 12 2024

Volume de soja exportada cai 13,6% em maio, e envios de carne bovina sobem 26%

O Brasil exportou 13,450 milhões de toneladas de soja em grão em maio, 13,69% a menos do que os 15,584 milhões de toneladas de igual período de...
jun 11 2024

Brasil faz acordo com China que pode aumentar exportação de café

O vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Geraldo Alckmin, assinou nesta quarta-feira (5)...
jun 10 2024

Brasil usa presidência do G20 para propor mudanças nas regras do comércio agrícola entre países

Nas discussões do G20, o grupo que reúne as maiores economias do mundo, o Brasil tem proposto ajustes no equilíbrio entre a expansão do comércio...
jun 07 2024

Mapa encerra maio com recorde histórico de aberturas de mercados para o mês

O mês de maio deste ano se encerra como o melhor maio da série histórica em termos de novos acordos comerciais no mercado mundial para produtos do...
jun 06 2024

Exportações do Brasil para os EUA superam os 12 bilhões de dólares no ano

O governo realizou, nesta semana, um seminário para marcar os “200 anos de amizade Brasil-Estados Unidos”. No encontro, a secretária de Comércio...
jun 05 2024

Com evolução de 34%, Paraná deve colher 646 mil toneladas de feijão em 2024

As condições climáticas têm refletido nas produções agrícolas de praticamente todo o País, e no Paraná também reduziram o potencial. Mesmo assim, em...
jun 04 2024

BNDES reduz de novo juros de linha especial para exportações brasileiras

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) promoveu nova redução de juros no BNDES Exim Pré-Embarque, linha de crédito que...

Quem acredita na Marcon

Nossos Clientes