Marcon Logística Portuária

Como as indústrias do Paraná estão se preparando para exportar?

Mais de R$ 8 bilhões em produtos paranaenses foram negociados em mercados internacionais entre janeiro e maio deste ano. Segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia, o resultado é 12% superior ao acumulado no mesmo período em 2021. Mais do que proporcionar crescimento econômico ao estado, as exportações ampliam o olhar da indústria local. “O comércio internacional impacta a vida das pessoas e das empresas, proporcionando maiores ganhos, credibilidade das marcas no Brasil, no exterior e possibilidades de expansão”, destaca Claudia Schittini, gerente do Centro Internacional de Negócios (CIN) do Sistema Fiep.

O Paraná ocupa posição de destaque na exportação de commodities, como a fécula de mandioca – o estado é o maior exportador brasileiro, com 12 mil toneladas comercializadas somente em 2021, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Mas o mercado internacional tem muito espaço para tudo o que é produzido no estado: “Muitas empresas, por desconhecimento do processo, acreditam que exportar é somente para grandes empresas, quando na verdade há mercado para diferentes produtos, públicos e em quantidades menores”, complementa Claudia. O objetivo do Centro Internacional de Negócios é apoiar os empresários em todas as fases, oferecendo capacitação, apoio na emissão de documentação e contato com especialistas.

Passo a passo para entrar no mercado internacional

O processo de internacionalização é bastante burocrático, exigindo conhecimento de mercado, legislação, tributação e uma lista extensa de documentos. “Os desafios iniciam já com a constituição da empresa, que precisa se adequar às normativas e legislação para o cadastro junto à Receita Federal. O entendimento e o conhecimento da legislação também são grandes problemas, pois qualquer descumprimento acaba gerando multas e despesas extras nos processos”, alerta a advogada Melina Hidalgo, especialista nas áreas aduaneira e tributária.

Mas, com base em decisões assertivas e apoio especializado, qualquer empresa pode se tornar uma exportadora. No Centro Internacional de Negócios do Sistema Fiep, os empresários cumprem o passo a passo essencial para ter sucesso na hora de embarcar seus produtos:

1º) Decidir internamente com a alta direção as motivações para exportar, e criar e incluir no planejamento estratégico da empresa;
2º) Preparar-se por meio de capacitações nos diversos temas, evitando erros e custos desnecessários na operação e planejamento;
3º) Pesquisa de mercado. Se a empresa ainda não sabe para onde exportar, é possível fazer um estudo para identificar o mercado mais adequado;
4º) Após decidir pela exportação, é preciso obter o RADAR – Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros.

Autonomia para exportar

Preenchimento correto da documentação, cumprimento de certificações exigidas pelo país alvo, atenção aos prazos acordados com o cliente internacional, habilidades de negociação e formação de preço. Não há como seguir esse roteiro sem capacitação. Melina Hidalgo, advogada nas áreas aduaneira e tributária, trabalha em parceria com o CIN no treinamento para a entrada em outros mercados, ministrando cursos de tributos aduaneiros que ajudam os participantes a entenderem como são calculados os impostos de exportação. “Para todas as capacitações, trazemos a exposição global dos processos. O exportador deve entender qual é a sua responsabilidade dentro de cada fase, ao invés de somente transferi-la para o despachante, o agente de carga ou contador”, pontua Melina. A ideia é oferecer autonomia para que as indústrias dominem o tema e possam acompanhar melhor os prestadores de serviços especializados.

Paralelamente às capacitações, o Centro Internacional de Negócios desenvolve outras atividades para que as indústrias possam estreitar relações comerciais com outros países, como encontros de negócios e até missões internacionais. A mais recente levou 20 micros e pequenas empresas para prospecções em Portugal. “Foi uma ação encadeada de preparação para exportação, destinada especificamente a micro e pequenas empresas. Por meio do programa Indústria Global – uma parceria do Sistema Fiep com a Confederação Nacional da Indústria e o SEBRAE-PR, capacitamos os empresários e os encorajamos a essa missão”, explica a gerente do CIN.

O contato com outra cultura de negócios foi o ponto alto da missão, conta Elisabete Capeleti, sócia da Capeleti Mate Tea: “Tivemos contato direto com compradores e potenciais clientes, conhecemos bem o mercado e entendemos como funciona a comercialização com os portugueses. Isso ampliou nosso conhecimento na preparação para a exportação, considero que tivemos 100% de aproveitamento”. Localizada em União da Vitória, a ervateria continua seguindo o passo a passo do CIN. “Atualmente estudamos a legislação de cada país e buscamos as normativas exigidas na Europa. Há um compromisso altíssimo com a qualidade no setor de alimentos, a legislação é muito mais exigente, e estamos preparando as certificações necessárias para poder entrar no mercado”, completa Elisabete.

Para a gerente do CIN, Claudia Schittini, o Paraná está amadurecendo nesse tema e as empresas têm demonstrado interesse em conhecer o processo: “Estamos preparados para oferecer todo o suporte na parte estratégica de preparação, para que a empresa desenvolva a cultura exportadora e efetivamente realize negócios”, finaliza.

 

Fonte: G1 / FIEP

}

07.28.2022

Em Destaque

Relacionados

Quer saber mais?

Entre em Contato

Siga a Marcon

Mercado & Novidades

Últimas Notícias

ago 17 2022

Faturamento com exportações do agronegócio é recorde no 1º semestre

O faturamento das exportações do agronegócio brasileiro somou US$ 79 bilhões no primeiro semestre deste ano, 26% acima do registrado no mesmo...
ago 16 2022

Conab estima safra de grãos em 271,4 milhões de toneladas em 2021/22

A produção de grãos brasileira deverá ficar em 271,447 milhões de toneladas, segundo o 11º Levantamento da Safra de Grãos divulgado hoje (11) pela...
ago 15 2022

Balança comercial tem superávit de US$ 1,2 bilhão na primeira semana de agosto

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 1,236 bilhão na primeira semana de agosto de 2022 e corrente de comércio US$ 13,251...
ago 12 2022

Gecex reduz tarifas de importação de insumos industriais

O Comitê-Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex) aprovou nesta quarta-feira (3/8), em sua 2ª reunião extraordinária de...
ago 11 2022

O comércio exterior e as eleições no Brasil

O comércio Internacional é desde milênios atrás indutor de desenvolvimento e riquezas. Mas quais serão os desafios para o comércio internacional do...
ago 10 2022

Produção de veículos cresce 33,4% em julho, diz Anfavea

A produção de veículos cresceu 33,4% em julho na comparação com o mesmo mês de 2021, segundo balanço divulgado hoje (5) pela Associação Nacional de...
ago 09 2022

Brasil tem forte expansão na corrente de comércio com seus principais parceiros comerciais

O Brasil obteve números expressivos no intercâmbio comercial com seus cinco principais parceiros comerciais no período janeiro-julho, segundo dados...
ago 08 2022

Corrente de comércio brasileira alcança US$ 54,465 bilhões em julho

A Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia divulgou nesta segunda-feira (1º/8) os dados preliminares da balança comercial...
ago 05 2022

Antaq detalha impactos da pandemia no transporte marítimo

O medo causado pela covid-19 mudou muitos dos hábitos das pessoas. Entre eles, aumentou o de comprar via internet produtos estrangeiros, que têm...
ago 04 2022

Superávit da balança comercial chega a US$ 39,63 bilhões no ano, até a quarta semana de julho

A balança comercial brasileira acumulou superávit de US$ 39,63 bilhões neste ano, até a quarta semana de julho, recuando 7,5% em relação ao período...

Quem acredita na Marcon

Nossos Clientes