Marcon Logística Portuária

Como a expansão dos BRICS impacta o Brasil e a cena do comércio exterior

A China avança nas fragilidades dos Estados Unidos e se posiciona estrategicamente na construção de relações internacionais estruturadas em seu poder econômico e orientadas ao enfraquecimento norte-americano.

Ao longo dos últimos trinta anos, a China desenvolveu políticas industriais e educacionais que, amparadas pelo neototalitarismo, sustentaram a pujança de seu crescimento. E mais recentemente, por influência e articulação chinesa, a expansão dos BRICS ganhou tração e se materializou. De todo modo, é preciso apurar o potencial econômico intrarregional do grupo, que é fortemente orientado ao setor primário.

Em um grupo com países tão heterogêneos, de regimes totalitários, autocráticos, teocráticos e democráticos, é evidente que haverá desafios de sinergia.

É notável o impacto geopolítico e a curiosa relação que será estabelecida pela nova composição dos BRICS com as potências ocidentais, lideradas pelo G7. Ao mesmo tempo, em um grupo com países tão heterogêneos, e não estamos falando apenas de diversidade de superfície, mas de regimes totalitários, autocráticos, teocráticos e democráticos, é evidente que haverá desafios de sinergia.

O caminho passa pela observação de aspectos comuns entre os membros e pelo desenvolvimento de estratégias que objetivamente os impulsione para além de suas diferenças. É possível, também, que o grupo construa alternativas ao domínio dos Estados Unidos no sistema financeiro internacional e que gerencie os pagamentos oriundos do comércio intrarregional em suas moedas. Esse movimento fortaleceria, principalmente, o processo de internacionalização da moeda chinesa, em andamento desde 2009 e, além disso, a figura do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD) dos BRICS.

O comportamento dos Estados Unidos no conflito do Iêmen e a repercussão das violações aos Direitos Humanos por parte da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos, também tem colocado em perspectiva a necessidade de diversificação de alianças na península Árabe. Integrar os BRICS é, portanto, estratégico aos países do Golfo e comunica a disposição de manterem suas influências regionais sem se curvarem a determinações exógenas.

O Irã, por sua vez, lida com sanções internacionais desde 1979 e enfrenta forte oposição na região, inclusive, por parte da Arábia Saudita. Mesmo assim, sob influência econômica da China, que investe bilhões naquele país, os persas têm estreitado suas relações diplomáticas com os árabes e cooperado em temas de comum interesse, inclusive para os chineses.

Para o Brasil, a ampliação de seu potencial geopolítico e a construção de uma conjuntura internacional favorável à sua participação como membro do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), pode justificar seu empenho na expansão dos BRICS. A Rússia, por sua vez, se move em forte contraponto às sanções impostas pelos países ocidentais e ao sistema de freios e contrapesos estabelecidos pelos Estados Unidos e seus aliados, em função da invasão à Ucrânia. E a China, como principal articuladora do enfraquecimento dos Estados Unidos e da construção de uma nova ordem global, fortalece sua influência arregimentando países postos à margem pelo ocidente.

Fonte: Gazeta do Povo

}

09.29.2023

Em Destaque

Relacionados

Quer saber mais?

Entre em Contato

Siga a Marcon

Mercado & Novidades

Últimas Notícias

fev 22 2024

Paraná é o terceiro estado que mais exporta carne de peru, aponta boletim do Deral

As exportações nacionais de carne de peru alcançaram 69.644 toneladas em 2023 e geraram receita de aproximadamente US$ 200,568 milhões. O Paraná é o...
fev 21 2024

Comércio Brasil-China inicia 2024 com fortes altas nas exportações e importações

O comércio entre o Brasil e a China teve um início de ano marcado pelo expressivo aumento de 53,7% nas exportações brasileiras, que somaram US$...
fev 20 2024

Brasil e Egito fortalecem relações comerciais para exportação de carnes com facilitações

Com a confirmação da missão do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao Egito nesta semana, o Ministério da Agricultura e Pecuária do...
fev 19 2024

Importação cresce ao maior patamar em 20 anos e indústria corre ao governo por proteção comercial

As importações alcançaram participação inédita no mercado da indústria em, pelo menos, 20 anos e provocaram uma corrida das empresas ao governo por...
fev 16 2024

Com alta da soja, Paraná registra maior volume de exportações para janeiro da história

Com US$ 1,82 bilhão em receitas obtidas com vendas para o mercado internacional em janeiro, o Paraná registrou em 2024 o maio volume de exportações...
fev 15 2024

Conab: colheita de grãos da safra 23/24 será menor do que o estimado

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que a colheita de grãos na safra 2023/2024 será 6% inferior ao volume colhido no período...
fev 14 2024

Portos do Paraná ultrapassa 65 milhões de toneladas movimentadas em 2023

A Portos do Paraná bateu um novo recorde de movimentação no ano de 2023, ultrapassando a marca de 65 milhões de toneladas. O anúncio do recorde...
fev 13 2024

Balança comercial tem superávit de US$ 6,527 bilhões em janeiro

Beneficiada pela queda nas importações de combustíveis, compostos químicos e pela safra recorde de soja e de café, a balança comercial – diferença...
fev 12 2024

Meganavio faz única escala no Porto de Paranaguá

O Porto de Paranaguá recebeu nesta quarta-feira (07) o meganavio MSC Elisa XIII, do armador Mediterranean Shipping Company (MSC) que fez uma escala...
fev 09 2024

Empresas apoiadas pela ApexBrasil exportaram US$ 140,7 bilhões em 2023

O ano de 2023 foi de recordes históricos para o comércio exterior brasileiro e para a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos...

Quem acredita na Marcon

Nossos Clientes