Marcon Logística Portuária

China divulga medidas para fortalecer comércio exterior

A China intensificará esforços para estabilizar o desempenho do comércio exterior e melhorar a estrutura do comércio por meio de um conjunto de medidas políticas, disseram autoridades do governo em uma coletiva de imprensa no domingo, 23.

Especialistas disseram que o país espera revitalizar ainda mais as empresas do setor de comércio exterior, enquanto fortalece a cooperação comercial com economias desenvolvidas e emergentes, em meio a fatores negativos, como o aumento do protecionismo e o enfraquecimento da demanda global.

Esses esforços expandiram e atualizarão o comércio da China e também serão propícios à recuperação econômica global, disseram eles.

Wang Shouwen, vice-ministro do comércio e representante de comércio internacional da China, disse na coletiva de imprensa que as empresas nacionais envolvidas no comércio exterior enfrentam aumento de riscos comerciais, pressão para melhorar a lucratividade e inconvenientes na participação em feiras de comércio exterior, embora a incerteza na demanda externa permaneça o maior problema.

“Vamos tentar criar mais oportunidades comerciais”, disse ele, acrescentando que, para isso, o país irá amplamente retomar as feiras de comércio offline, melhorar a eficiência do processamento de pedidos de cartão de viagem de negócios da Apec e facilitar a retomada ordenada de voos internacionais de passageiros.

Wang disse que o país estabilizará o comércio exterior em produtos-chave, como automóveis, garantirá o desenvolvimento das empresas de comércio exterior e aprimorará os formatos e o ambiente para o comércio exterior.

Redes globais

As medidas-chave incluirão ajudar as montadoras a estabelecer e aprimorar suas redes globais de marketing e serviço, garantir financiamento para projetos de equipamentos de grande escala e acelerar a revisão do catálogo de tecnologias e produtos encorajados para importação.

Elas também incluirão incentivar os bancos a atender melhor à demanda de financiamento das pequenas e médias empresas de comércio exterior, orientar as empresas que estão envolvidas no processamento comercial para se mudarem para as regiões central, oeste e nordeste do país e apoiar a Área da Grande Baía de Guangdong-Hong Kong-Macau no desenvolvimento do comércio digital.

Wu Haiping, diretor-geral do departamento de operações gerais da Administração Geral das Alfândegas, disse que, para enfrentar as dificuldades e gargalos enfrentados pelas empresas de comércio exterior, a autoridade alfandegária se concentrará na melhoria da facilitação comercial, na otimização da logística de importação e exportação, no aprimoramento do ambiente de negócios nos portos, na redução das cargas de custo das empresas e no apoio ao desenvolvimento de novos formatos de comércio exterior.

“Vamos enriquecer, ajustar e melhorar continuamente medidas relevantes e explorar novas iniciativas de suporte ao comércio exterior da China neste ano”, disse ele, acrescentando que 90 mil empresas se registraram no primeiro trimestre do ano para se envolver em atividades de importação e exportação, um aumento de 59,8% ano a ano.

Alto custo

Segundo Zhou Maohua, analista do Banco China Everbright, as empresas de comércio exterior, especialmente as pequenas e médias, ainda enfrentam altos custos para matérias-primas, dificuldades para obter financiamento, flutuações no mercado global de câmbio e incertezas na demanda externa.

“A China possui um sistema industrial completo e cadeias de abastecimento resilientes, e o setor de comércio exterior do país ganhou força nos últimos anos devido a melhorias contínuas nos produtos e na estrutura comercial, crescente diversificação de parceiros comerciais e desenvolvimento de modelos de negócios, incluindo o comércio eletrônico transfronteiriço”, disse Zhou.

“Mas espera-se que as autoridades adotem mais ações para aliviar os encargos das empresas e incentivá-las a fortalecer a pesquisa de novos produtos, enquanto diversificam as fontes de importação e os destinos de exportação”, acrescentou.

Segundo Ning Jizhe, vice-presidente do Centro de Intercâmbio Econômico Internacional da China, o país deve tomar mais medidas para estabilizar as exportações para importantes parceiros comerciais, incluindo a Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), a União Europeia (UE), os Estados Unidos, o Japão e a Coreia do Sul.

Ao mesmo tempo, o país deve explorar ainda mais o potencial de novos mercados em economias participantes da Iniciativa do Cinturão e Rota, bem como em economias do Oriente Médio, África e América Latina, disse ele.

Enric Tria, diretor administrativo da Taurus Group na Europa, fabricante espanhola de eletrodomésticos, disse que os produtos chineses são conhecidos por sua acessibilidade, qualidade e versatilidade, tornando-os uma escolha popular para empresas de todo o mundo que procuram peças, componentes e produtos acabados.

Ansiosos para vender mais produtos para outras partes do mundo, fabricantes domésticos, especialmente aqueles dos hubs de manufatura e exportação, como as províncias de Zhejiang, Jiangsu, Shandong, Fujian e Sichuan, têm se apressado para adicionar valor técnico aos seus produtos e participar de feiras de comércio em larga escala em mercados domésticos e globais.

Retomada

Com a retomada completa das atividades no local, a segunda fase da 133ª Feira de Importação e Exportação da China, também conhecida como Feira de Cantão, atraiu quase 12 mil empresas – 3,8 mil a mais do que o nível pré-pandêmico em 2019. A feira foi aberta em 15 de abril e vai até 5 de maio.

A segunda fase da feira, que será realizada de domingo a quinta-feira em Guangzhou, província de Guangdong, tem uma área total de exposição de 505 mil metros quadrados e mais de 24 mil estandes apresentando bens de consumo diário, presentes e decorações para o lar.

“Na Feira de Cantão, nossa expectativa obviamente é procurar por novos produtos e ver o que os principais parceiros e fornecedores nos apresentam”, disse Tria, da Taurus Group. “Estamos principalmente procurando por quaisquer tipos de produtos relacionados a pequenos aparelhos domésticos”.

Chen Dexing, presidente da Wenzhou Kanger Crystallite Utensils Co, fabricante de vidro e cerâmica em Wenzhou, província de Zhejiang, disse que a produção da empresa no primeiro trimestre deste ano foi aproximadamente a metade do total do ano passado, devido a pedidos aumentados de países desenvolvidos.

O comércio exterior da China cresceu 4,8% em relação ao ano anterior, para 9,89 trilhões de iuanes (US$ 1,44 trilhão) no primeiro trimestre de 2023, de acordo com dados da Administração Geral das Alfândegas do país.

Zhou, o analista do China Everbright Bank, previu que as exportações do país provavelmente crescerão de 6% a 8% em relação ao ano anterior durante o primeiro semestre de 2023, enquanto o crescimento das importações provavelmente será de cerca de 0,3% a 0,7%.

 

Fonte: Exame

}

05.04.2023

Em Destaque

Relacionados

Quer saber mais?

Entre em Contato

Siga a Marcon

Mercado & Novidades

Últimas Notícias

fev 22 2024

Paraná é o terceiro estado que mais exporta carne de peru, aponta boletim do Deral

As exportações nacionais de carne de peru alcançaram 69.644 toneladas em 2023 e geraram receita de aproximadamente US$ 200,568 milhões. O Paraná é o...
fev 21 2024

Comércio Brasil-China inicia 2024 com fortes altas nas exportações e importações

O comércio entre o Brasil e a China teve um início de ano marcado pelo expressivo aumento de 53,7% nas exportações brasileiras, que somaram US$...
fev 20 2024

Brasil e Egito fortalecem relações comerciais para exportação de carnes com facilitações

Com a confirmação da missão do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao Egito nesta semana, o Ministério da Agricultura e Pecuária do...
fev 19 2024

Importação cresce ao maior patamar em 20 anos e indústria corre ao governo por proteção comercial

As importações alcançaram participação inédita no mercado da indústria em, pelo menos, 20 anos e provocaram uma corrida das empresas ao governo por...
fev 16 2024

Com alta da soja, Paraná registra maior volume de exportações para janeiro da história

Com US$ 1,82 bilhão em receitas obtidas com vendas para o mercado internacional em janeiro, o Paraná registrou em 2024 o maio volume de exportações...
fev 15 2024

Conab: colheita de grãos da safra 23/24 será menor do que o estimado

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que a colheita de grãos na safra 2023/2024 será 6% inferior ao volume colhido no período...
fev 14 2024

Portos do Paraná ultrapassa 65 milhões de toneladas movimentadas em 2023

A Portos do Paraná bateu um novo recorde de movimentação no ano de 2023, ultrapassando a marca de 65 milhões de toneladas. O anúncio do recorde...
fev 13 2024

Balança comercial tem superávit de US$ 6,527 bilhões em janeiro

Beneficiada pela queda nas importações de combustíveis, compostos químicos e pela safra recorde de soja e de café, a balança comercial – diferença...
fev 12 2024

Meganavio faz única escala no Porto de Paranaguá

O Porto de Paranaguá recebeu nesta quarta-feira (07) o meganavio MSC Elisa XIII, do armador Mediterranean Shipping Company (MSC) que fez uma escala...
fev 09 2024

Empresas apoiadas pela ApexBrasil exportaram US$ 140,7 bilhões em 2023

O ano de 2023 foi de recordes históricos para o comércio exterior brasileiro e para a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos...

Quem acredita na Marcon

Nossos Clientes