Marcon Logística Portuária

CNI defende suspensão das negociações do acordo Mercosul-Coreia do Sul e cita prejuízo de US$ 7 bi

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, encaminhou carta ao ministro da Economia, Paulo Guedes, solicitando a suspensão das negociações do acordo comercial entre Mercosul e Coreia do Sul. O documento aponta que, entre outros motivos, o avanço acelerado do diálogo entre os dois países, sem consulta ao setor privado, acarretará na ampliação do saldo negativo da balança comercial em ao menos US$ 7 bilhões para o Brasil.

“Os setores industriais, que devem ter um papel relevante na retomada da economia e na geração de empregos nos níveis nacional e regional, sofrerão impactos graves sobretudo no cenário pós-pandemia da Covid-19”, afirma Robson Andrade.

Robson Braga de Andrade lembra ainda que, no fim de 2019, foram estabelecidos dois importantes diálogos entre os Poderes Executivo e Legislativo: um sobre integração internacional e outro sobre produtividade e competitividade, envolvendo o Ministério da Economia, representantes do Poder Legislativo, CNI e associações industriais.

“Os dois diálogos foram fundamentais para estabelecer o objetivo de ampliar a integração internacional do Brasil, de forma gradual e com base em uma agenda que tivesse um olhar também para a competitividade da produção nacional”, afirma Robson Andrade.

Acordo com Coreia do Sul avançou sem consulta ao setor privado

De acordo com o presidente da CNI, os acordos firmados pela Coreia do Sul com países em nível de desenvolvimento semelhante ao do Brasil, como a China, a Índia e a Turquia, são distintos do que vem sendo negociado pelo Brasil. Eles trazem exclusão de um número mais amplo de produtos, chegando a quase 20% das linhas tarifárias, períodos de carência, margens de preferência para produtos industriais, além de salvaguardas específicas para o setor industrial.

“Temos informações de que a negociação está avançada, com cerca de 90% de cobertura do comércio bilateral. Contudo, o setor privado não foi informado sobre as concessões feitas pelos governos do Mercosul. Além disso, não parece haver dispositivos satisfatórios para tratar de produtos sensíveis, o que é comum nos acordos comerciais”, explica Robson Andrade.

Além disso, a carta enviada ao governo pela CNI esclarece que o momento posterior à pandemia exigirá do governo um foco em políticas de retomada da atividade produtiva e da geração de empregos no país. Para isso, afirma a entidade, serão necessários acordos comerciais mais equilibrados com parceiros que tenham potencial de gerar mais impactos positivos na produção do país.

Indústria argentina também quer interrupção das negociações

A posição da CNI se soma ao posicionamento da segunda maior economia do bloco. Em declaração conjunta, assinada na quinta-feira (23), a indústria brasileira e a União Industrial Argentina (UIA) manifestam preocupação com a falta de transparência nas negociações entre Mercosul e Coreia do Sul, bem como com a falta de capacidade das indústrias do bloco em enfrentar práticas desleais de comércio. Dados da Organização Mundial do Comércio (OMC) revelam que a Coreia do Sul é o segundo principal alvo de medidas de defesa comercial, atrás apenas da China.

Fonte: Comex do Brasil / CNI

}

05.08.2020

Em Destaque

Relacionados

Quer saber mais?

Entre em Contato

Siga a Marcon

Mercado & Novidades

Últimas Notícias

jul 17 2024

Carteira de exportação do BNDES aprova volume 135% maior de créditos em 2024

O valor das aprovações de crédito para a linha BNDES EXIM Pré-Embarque, que financia as exportações de empresas nacionais, cresceu 135% no primeiro...
jul 16 2024

Exportações do Paraná para Ásia, África e Oriente Médio batem recorde no 1º semestre

O Paraná obteve no 1º semestre de 2024 o seu melhor desempenho nas vendas para os mercados do Oriente Médio, África e Sudeste Asiático , com maior...
jul 15 2024

Mercosul e Emirados Árabes Unidos iniciam negociações de um acordo de livre comércio

Representantes dos países membros do Mercosul e dos Emirados Árabes Unidos se reuniram em Assunção, entre os dias 2 e 4 de julho, e formalizaram  o...
jul 12 2024

Receita Federal aprimora Programa OEA-Integrado para facilitar operações internacionais

A Receita Federal do Brasil (RFB) publicou a Portaria RFB nº 435, de 2 de julho de 2024, que estabelece novas regras para a participação de órgãos e...
jul 11 2024

Brasil e Palestina firmam acordo de livre comércio no âmbito do Mercosul

Em 3 de julho de 2024, o Brasil depositou sua carta de ratificação ao Acordo de Livre Comércio entre o Mercosul e o Estado da Palestina. A carta foi...
jul 10 2024

Exportação de soja do Brasil fecha 1º semestre com alta de 2,2%; milho recua 28%

A exportação de soja do Brasil fechou o primeiro semestre com alta de 2,23% na comparação com o mesmo período do ano passado, para 64,15 milhões de...
jul 09 2024

Produção nacional de petróleo cresce 3,9% em maio

Em maio deste ano, houve aumento na produção de petróleo e na de gás natural, e também na produção do pré-sal. A produção total (petróleo + gás...
jul 08 2024

16,8 milhões de toneladas foram exportadas pelos portos do Paraná entre janeiro e maio

A exportação nos portos paranaenses cresceu 4% este ano em relação ao mesmo período do ano anterior, movimentando 16.861.765 toneladas, 715.435 a...
jul 05 2024

Banco Central eleva estimativa do PIB para 2,3% neste ano

O Banco Central (BC) elevou a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, de 1,9% para 2,3%, segundo o relatório de inflação...
jul 04 2024

Colheita do milho da segunda safra paranaense alcança 42% da área

A colheita da segunda safra de milho 2023/24 avançou na última semana, chegando a 42% da área estimada em 2,42 milhões de hectares. Mas a Previsão...

Quem acredita na Marcon

Nossos Clientes