O navio Pacific South atracou no Porto de Paranaguá para marcar novos recordes no Corredor de Exportação. Além de ser um graneleiro de 292 metros de comprimento e 45 de boca (largura) – o maior já recebido no complexo até hoje – a embarcação vai carregar um volume histórico para o segmento dos granéis sólidos nos terminais paranaenses. Serão 103 mil toneladas de farelo de soja.

“Tanto o volume, quanto o tamanho do navio, que vamos operar atestam a nossa capacidade operacional. Uma ação desse porte exige trabalhadores portuários qualificados, praticagem experiente e capacidade de infraestrutura, terrestre e marítima”, diz o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

A embarcação atracou no final da tarde de segunda-feira (08) no berço 214, um dos três do Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá.

De bandeira das Ilhas Marshall, o navio Pacific South veio do porto de Xangai, na China, e chegou na Baía de Paranaguá no último dia 1. Geralmente, os navios que carregam os graneis têm 5 ou 7 porões. Este tem nove porões para receber e transportar todo o farelo que começa a ser carregado.

As 103 mil toneladas de farelo de soja serão carregadas a partir de três terminais. Cerca de 84 mil toneladas sairão da Coamo; 15 mil da Cotriguaçu; e quatro mil toneladas dos silos públicos (horizontais).

Segundo a empresa responsável pela operação, a Cargill, o carregamento do Pacific South deve levar cerca de cinco dias, se as condições do tempo ajudarem e não houver paralisações por chuva ou umidade excessiva. O farelo irá para o porto de Amsterdã, na Holanda.

SUPERAÇÃO – O volume de 103 mil toneladas – suficiente para carregar 3.400 caminhões – supera, em 13 mil toneladas, o recorde anterior registrado há pouco mais de um ano. Em 27 de maio de 2019, o navio chinês Lan Hua Hai, de 254 metros, carregou 90 mil toneladas de farelo de soja.

Desta vez, a embarcação é 38 metros maior. Em média, os navios graneleiros recebidos no Porto de Paranaguá medem entre 199 e 229 metros de comprimento. Esses, em geral, costuma receber pouco mais de 60 mil toneladas de carga (soja, milho ou farelo).

CAPACIDADE – No Corredor, são seis shiploaders (carregadores de navio) com capacidade para carregar cerca de mil toneladas por hora. Os equipamentos carregam, por esteiras, a carga de 11 diferentes terminais.

O Corredor de Exportação é formado por nove terminais privados: Cargill, AGTL, Interalli, Centro Sul, Coamo, Louis Dreyfus, Cotriguaçu, Cimbesul e Rocha. Além de dois terminais públicos: um silo vertical, com capacidade estática de cem mil toneladas, e um silo horizontal, com capacidade total de 60 mil toneladas.

Como afirma Luiz Fernando, esse modelo adotado, de vários terminais interligados para carregar em três berços prioritários, permite os embarques simultâneos em um único navio, o que cria maior flexibilidade de utilização de capacidade estática de cada terminal e permite uma maior produtividade de cada berço.

Pelos silos públicos, atualmente, operam Céu Azul, Grano Logística, Gransol, Marcon, Sulmare, Tibagi e Transgolf, que trabalham com diversos exportadores menores.

 

Fonte: Portos do Paraná