A China e o Brasil dão grande importância a sua relação bilateral e querem continuar fomentando sua parceria estratégica abrangente, afirmaram na última sexta-feira oficiais governamentais de alto nível em uma reunião entre os dois países.

Yang Jiechi, membro do Birô Político do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCC), reuniu-se na capital brasileira com Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete da Segurança Institucional do Brasil.

Yang, também diretor do Escritório da Comissão de Relações Exteriores do Comitê Central do PCC, afirmou que a China sempre considerou e desenvolveu as relações com o Brasil com uma perspectiva estratégica e de longo prazo.

China e Brasil são países em desenvolvimento e economias de mercado emergentes, e desde que estabeleceram relações diplomáticas há 45 anos, seus laços se desenvolveram de forma saudável e estável, destacou.

A cooperação pragmática em diversos aspectos foi frutífera e se tornou um modelo de cooperação e desenvolvimento conjunto entre grandes países em desenvolvimento, acrescentou.

Yang assegurou que a China tem a vontade de promover a integração da Iniciativa do Cinturão e Rota com o plano de desenvolvimento do Brasil e reforçar os intercâmbios entre pessoas, as interações e comunicação regionais, assim como a coordenação em assuntos regionais e internacionais, a fim de gerar novos benefícios para os dois países e povos.

Ele destacou que o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, iniciará em breve, a convite do presidente chinês, Xi Jinping, sua primeira visita de Estado à China, e que os líderes dos países do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) se reunirão no mês próximo no Brasil.

A China dará todo seu apoio ao Brasil na organização do evento, prometeu Yang, acrescentando que seu país está convencido de que as duas partes trabalharão juntas para garantir o êxito da reunião entre os dois chefes de Estado, projetar de forma conjunta o plano futuro das relações bilaterais e atualizar a parceria estratégica abrangente entre os dois países.

O general Augusto Heleno, por sua parte, disse que os participantes da 9ª Reunião dos Altos Representantes do BRICS para Assuntos de Segurança atingiram um consenso amplo que reforçou a unidade e a cooperação entre os cinco países.

O Brasil considera muito importantes suas relações com a China, destacou. Ele referiu-se também à primeira visita de Estado de Bolsonaro à China em alguns dias e mencionou que a parte brasileira espera a viagem de Xi ao Brasil no mês próximo para participar da reunião de líderes do BRICS.

Tudo isto, a seu julgamento, reflete a importância da relação entre o Brasil e a China.

O Brasil aprecia a resolução da China em sua luta contra o terrorismo e continuará apoiando com firmeza a posição do país nos temas relacionados com Taiwan, Tibet e Xinjiang.

Além disso, o general Augusto Heleno salientou que seu país deseja reforçar a cooperação pragmática com a China em comércio, infraestruturas, agricultura e ciência e tecnologia, e também consolidar e desenvolver a parceria estratégica abrangente entre os dois lados.

A convite do general brasileiro, Yang participou da 9ª Reunião dos Altos Representantes do BRICS para Assuntos de Segurança em Brasília de quinta a sexta-feira.

Fonte: Comex do Brasil